Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Su-57 russo supera caças de 5ª geração F-22 e F-35 dos EUA, diz piloto militar

O uso de caças F-22 pela Força Aérea dos EUA na Síria privou este modelo de suas vantagens sobre aeronaves russas, segundo a mídia norte-americana. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, um piloto militar russo comentou a situação.
Sputnik

A utilização de caças norte-americanos F-22 na Síria privou os EUA das vantagens destes caças em relação aos caças russos, escreveu o jornal Military Watch. Segundo Veralinn Jamieson, tenente-general da Força Aérea dos EUA, os céus do Iraque e da Síria se tornaram "armazém de informações" para russos sobre atuação de caças estadunidenses durante operações.

Segundo o autor do artigo, os russos tiveram bastante tempo para analisar e testar a tecnologia de furtividade dos F-22, além de terem coletado dados sobre o uso da aeronave e encontrado meios de combatê-la. Além disso, a Rússia poderá usar essas tecnologias na fabricação de suas aeronaves.

O artigo enfatiza que os radares dos sistemas de mísseis antiaéreos S-300 e S-400 da Rússia …

Pentágono: presença russa na Síria impede luta dos EUA contra terrorismo

O Departamento de Defesa dos EUA acredita que a presença russa na Síria torna mais difícil a luta dos EUA contra o Daesh (organização terrorista proibida em vários países, incluindo a Rússia).


Sputnik

Segundo indica o relatório do inspetor-geral do Pentágono, as forças norte-americanas enfrentam muitos obstáculos no combate ao terrorismo na Síria por causa da atividade militar russa.


Marinhos russos e sírios realizam ensaios conjuntos no porto de Tartus
Militares russos na Síria © Sputnik/ Dmitriy Vinogradov

No documento, os militares norte-americanos analisaram as ações das Forças Armadas da Rússia no território sírio de outubro a dezembro de 2017.

Em particular, o Pentágono destacou mais uma vez as "manobras perigosas" dos aviões russos efetuadas nas proximidade de aeronaves de combate estadunidenses.

Ao mesmo tempo, o Pentágono indica que atividade dos militares russos provocou o "aumento de risco de ataques não premeditados".

O Ministério da Defesa russo, em sua vez, declarou que a maioria das aproximações entre aviões russos e estadunidenses está relacionada com as tentativas dos EUA de impedir a eliminação de terroristas.

Ademais, o Departamento de Defesa norte-americano expressou preocupação quanto aos apelos de Moscou e Damasco à coalizão internacional liderada pelos EUA para que termine a operação militar na Síria.

Nessa conexão, os militares estadunidenses supõem que a coalizão será sujeita a pressão por meio dos canais diplomáticos ou militares. Segundo eles, o objetivo dessa medida é pôr fim à operação militar no território sírio.

Em 2014, a coalizão internacional liderada pelos EUA iniciou a operação militar na Síria sem permissão oficial de Damasco. O Conselho da Segurança da ONU também não aprovou as ações militares dos EUA no país.

No entanto, o chefe do Pentágono, James Mattis, assegura que a presença militar das tropas estadunidenses na Síria é legal, visto que a ONU havia aprovado antes uma resolução dedicada à luta contra o Daesh.


Postar um comentário