Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Oficial do Hezbollah: nossos mísseis podem atingir qualquer ponto de Israel

O Hezbollah é capaz de atingir qualquer ponto em Israel com seus mísseis, disse Sheikh Naim Qassem, secretário-geral adjunto do movimento libanês Hezbollah em entrevista ao jornal iraniano al-Vefagh.
Sputnik

"Não há um único ponto nos territórios ocupados fora do alcance dos mísseis do Hezbollah", disse Qassem.


Segundo o alto funcionário, os mísseis servem para impedir Israel de iniciar outra guerra com o Líbano, expondo a "frente israelense".

Qassem comentou também a guerra na Síria, onde o Hezbollah desempenhou um papel ativo na assistência ao governo sírio contra vários agrupamentos terroristas, incluindo o Daesh e Frente al-Nusra (grupos terroristas proibidos na Rússia). O funcionário elogiou as vitórias alcançadas contra os terroristas, mas criticou os EUA por sua suposta obstrução ao processo de paz.

As tensões entre Tel Aviv e o movimento libanês xiita Hezbollah aumentaram em 4 de dezembro depois que as tropas israelenses lançaram a operação Northern Shield, dest…

Pentágono: presença russa na Síria impede luta dos EUA contra terrorismo

O Departamento de Defesa dos EUA acredita que a presença russa na Síria torna mais difícil a luta dos EUA contra o Daesh (organização terrorista proibida em vários países, incluindo a Rússia).


Sputnik

Segundo indica o relatório do inspetor-geral do Pentágono, as forças norte-americanas enfrentam muitos obstáculos no combate ao terrorismo na Síria por causa da atividade militar russa.


Marinhos russos e sírios realizam ensaios conjuntos no porto de Tartus
Militares russos na Síria © Sputnik/ Dmitriy Vinogradov

No documento, os militares norte-americanos analisaram as ações das Forças Armadas da Rússia no território sírio de outubro a dezembro de 2017.

Em particular, o Pentágono destacou mais uma vez as "manobras perigosas" dos aviões russos efetuadas nas proximidade de aeronaves de combate estadunidenses.

Ao mesmo tempo, o Pentágono indica que atividade dos militares russos provocou o "aumento de risco de ataques não premeditados".

O Ministério da Defesa russo, em sua vez, declarou que a maioria das aproximações entre aviões russos e estadunidenses está relacionada com as tentativas dos EUA de impedir a eliminação de terroristas.

Ademais, o Departamento de Defesa norte-americano expressou preocupação quanto aos apelos de Moscou e Damasco à coalizão internacional liderada pelos EUA para que termine a operação militar na Síria.

Nessa conexão, os militares estadunidenses supõem que a coalizão será sujeita a pressão por meio dos canais diplomáticos ou militares. Segundo eles, o objetivo dessa medida é pôr fim à operação militar no território sírio.

Em 2014, a coalizão internacional liderada pelos EUA iniciou a operação militar na Síria sem permissão oficial de Damasco. O Conselho da Segurança da ONU também não aprovou as ações militares dos EUA no país.

No entanto, o chefe do Pentágono, James Mattis, assegura que a presença militar das tropas estadunidenses na Síria é legal, visto que a ONU havia aprovado antes uma resolução dedicada à luta contra o Daesh.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas