Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Estados Unidos esperam sinais da Coreia do Norte sobre possível diálogo, diz Tillerson

'Mantemos nossos canais abertos', diz secretário de Estado em entrevista a TV.
EFE

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, afrmou neste domingo que está atento a possíveis sinais da Coreia do Norte sobre a chance de iniciar um diálogo, que começaria sendo bilateral, mas no qual a China assumiria algum papel mais adiante.

"O meu trabalho como chefe da diplomacia é garantir que os norte-coreanos saibam que mantemos nossos canais abertos", disse Tillerson em entrevista exibida na noite de domingo pela emissora "CBS", e da qual o Departamento de Estado proporcionou uma transcrição nesta segunda-feira.

"Não estou mandando muitas mensagens de resposta porque, por enquanto, não há nada a dizer, portanto estou ouvindo para que você (a Coreia do Norte) me diga que está preparado para falar", acrescentou Tillerson.

Ao ser questionado sobre como saberia se a Coreia do Norte está disposta a realizar negociações, Tillerson respondeu: "Eles vã…

Pentágono: presença russa na Síria impede luta dos EUA contra terrorismo

O Departamento de Defesa dos EUA acredita que a presença russa na Síria torna mais difícil a luta dos EUA contra o Daesh (organização terrorista proibida em vários países, incluindo a Rússia).


Sputnik

Segundo indica o relatório do inspetor-geral do Pentágono, as forças norte-americanas enfrentam muitos obstáculos no combate ao terrorismo na Síria por causa da atividade militar russa.


Marinhos russos e sírios realizam ensaios conjuntos no porto de Tartus
Militares russos na Síria © Sputnik/ Dmitriy Vinogradov

No documento, os militares norte-americanos analisaram as ações das Forças Armadas da Rússia no território sírio de outubro a dezembro de 2017.

Em particular, o Pentágono destacou mais uma vez as "manobras perigosas" dos aviões russos efetuadas nas proximidade de aeronaves de combate estadunidenses.

Ao mesmo tempo, o Pentágono indica que atividade dos militares russos provocou o "aumento de risco de ataques não premeditados".

O Ministério da Defesa russo, em sua vez, declarou que a maioria das aproximações entre aviões russos e estadunidenses está relacionada com as tentativas dos EUA de impedir a eliminação de terroristas.

Ademais, o Departamento de Defesa norte-americano expressou preocupação quanto aos apelos de Moscou e Damasco à coalizão internacional liderada pelos EUA para que termine a operação militar na Síria.

Nessa conexão, os militares estadunidenses supõem que a coalizão será sujeita a pressão por meio dos canais diplomáticos ou militares. Segundo eles, o objetivo dessa medida é pôr fim à operação militar no território sírio.

Em 2014, a coalizão internacional liderada pelos EUA iniciou a operação militar na Síria sem permissão oficial de Damasco. O Conselho da Segurança da ONU também não aprovou as ações militares dos EUA no país.

No entanto, o chefe do Pentágono, James Mattis, assegura que a presença militar das tropas estadunidenses na Síria é legal, visto que a ONU havia aprovado antes uma resolução dedicada à luta contra o Daesh.


Postar um comentário