Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Águas 'quentes' da Síria: fragata russa persegue submarino nuclear dos EUA

Durante sua última missão no mar Mediterrâneo em abril passado, a fragata Admiral Essen da Marinha russa conseguiu detectar e perseguir um submarino nuclear dos EUA perto da costa síria. Essa informação foi só agora tornada pública.
Sputnik

A fragata Admiral Essen, pertencente à Frota do Mar Negro, perseguiu o submarino estadunidense da classe Ohio durante mais de duas horas, comunica o jornal russo Izvestiya, citando o Estado-Maior da Marinha russa.

A tripulação do navio russo registrou os parâmetros principais do submarino para, em seguida, os adicionar ao retrato acústico do submersível.

A fragata havia partido para o mar Mediterrâneo em março e regressou à base de Sevastopol no fim de junho. Encontrava-se na zona costeira síria quando os EUA, o Reino Unido e a França atacaram a Síria com mísseis.

Além disso, no decurso da missão, a sua tripulação realizou uma série de manobras táticas. Em particular, treinou ataques contra alvos marítimos e aéreos, combate em grupo e isolado, bem como…

Por que ameaça nuclear de Pyongyang faz EUA rodearem Rússia com defesa antimíssil?

EUA "quase rodeiam" Rússia com seu sistema de defesa antimíssil por todo o perímetro do país, e agora também tem um novo alvo – a China, afirma o chanceler russo, Sergei Lavrov.


Sputnik

Em entrevista ao canal Rossiya 1, o chanceler russo explicou que EUA, apoiando-se no problema nuclear norte-coreano, posicionam sistemas de defesa antimíssil no território da Coreia do Sul e do Japão.


Camiões levando lançadores de mísseis dos EUA e outro equipamento para instalar o sistema de defesa antimíssil THAAD na base aérea de Pyeongtaek, Coreia do Sul
Sistema antimísseis THAAD dos EUA na Coreia do Sul © AP Photo/ Sem credenciais

"Em conjunto com o segmento europeu da defesa antimíssil global dos EUA, os mapas mostram claramente que todo o sistema, por acaso ou não, quase rodeia todo o perímetro da Federação da Rússia, e agora está apontado para a China", destacou.

"Estamos interessados em não permitir fortalecimento de tais tendências, o que, por sua vez, prevê negociações", sublinhou.

Ao mesmo tempo, seu homólogo japonês, Taro Cono, está seguro que a cooperação entre Japão, EUA e Coreia do Sul é vital para alcançar "desnuclearização da península coreana", comunica Kyodo.

Ele também indicou que essa colaboração tem como objetivo impedir "diplomacia de sorrisos", exercida pela Coreia do Norte.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas