Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Israel realiza novos bombardeios na Faixa de Gaza após queda de foguete

Aviação israelense atacou instalações subterrâneas em Gaza. Foguete disparado de Gaza caiu em cidade israelense sem causar vítimas.
France Presse

Aviões de guerra israelenses realizaram novos ataques na madrugada desta segunda-feira (19) na Faixa de Gaza, onde a tensão foi reduzida, mas sem dissipar todo o fantasma de um novo confronto.

A aviação israelense atacou instalações subterrâneas no sul do território do movimento palestino Hamas, afirmou em um comunicado.

Israel respondeu assim ao disparo de um foguete lançado no domingo à noite a partir da Faixa de Gaza - o segundo em 24 horas - e que caiu sem causar vítimas nas proximidades de Sderot, cidade israelense perto do enclave palestino.

O exército de Israel manteve sua política de resposta sistemática a qualquer intervenção hostil a partir dos territórios palestinos, onde travou três guerras contra o Hamas e grupos armados palestinos aliados desde 2008.

Israel usará "todos os meios à sua disposição" para garantir a segurança d…

Por que ameaça nuclear de Pyongyang faz EUA rodearem Rússia com defesa antimíssil?

EUA "quase rodeiam" Rússia com seu sistema de defesa antimíssil por todo o perímetro do país, e agora também tem um novo alvo – a China, afirma o chanceler russo, Sergei Lavrov.


Sputnik

Em entrevista ao canal Rossiya 1, o chanceler russo explicou que EUA, apoiando-se no problema nuclear norte-coreano, posicionam sistemas de defesa antimíssil no território da Coreia do Sul e do Japão.


Camiões levando lançadores de mísseis dos EUA e outro equipamento para instalar o sistema de defesa antimíssil THAAD na base aérea de Pyeongtaek, Coreia do Sul
Sistema antimísseis THAAD dos EUA na Coreia do Sul © AP Photo/ Sem credenciais

"Em conjunto com o segmento europeu da defesa antimíssil global dos EUA, os mapas mostram claramente que todo o sistema, por acaso ou não, quase rodeia todo o perímetro da Federação da Rússia, e agora está apontado para a China", destacou.

"Estamos interessados em não permitir fortalecimento de tais tendências, o que, por sua vez, prevê negociações", sublinhou.

Ao mesmo tempo, seu homólogo japonês, Taro Cono, está seguro que a cooperação entre Japão, EUA e Coreia do Sul é vital para alcançar "desnuclearização da península coreana", comunica Kyodo.

Ele também indicou que essa colaboração tem como objetivo impedir "diplomacia de sorrisos", exercida pela Coreia do Norte.

Postar um comentário