Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Novo corte na verba do PROSUB preocupa Comando da Marinha do Brasil

O Comandante da Marinha, almirante de esquadra Eduardo Leal Ferreira, está seriamente preocupado com as consequências negativas de um novo e importante corte nos recursos do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), previstos para o orçamento de 2019.
Por Roberto Lopes e Alexandre Galante | Poder Naval

O Programa, cujos termos foram ajustados em 2009, estabelece a produção, no complexo industrial naval de Itaguaí (RJ), de quatro submarinos de ataque convencionais (propulsão diesel-elétrica) da classe Scorpène, e a assistência técnica francesa para a construção do primeiro submarino nuclear brasileiro.

O primeiro submarino convencional, batizado Riachuelo, deve ser lançado ao mar na manhã da quarta-feira 12 de dezembro.

Em novembro de 2016, reunido com lideranças da Base Industrial de Defesa, em São Paulo, o então ministro da Defesa, Raul Jungmann, estimou o valor total do investimento brasileiro no PROSUB em 30 bilhões de Reais.

O Poder Naval não teve acesso aos valores da reduçã…

Por que EUA impedem acordo franco-egípcio sobre jatos Rafale?

Os EUA bloquearam as negociações entre a França e o Egito sobre a venda de mais jatos Rafale à Força Aérea do país árabe ao se recusar a exportar os componentes norte-americanos para o míssil de cruzeiro Scalp, comunicou o jornal francês La Tribune.


Sputnik

Alexandre Vautravers, funcionário do Centro para Política de Segurança em Genebra (GCSP), discutiu com a Sputnik França o impacto das companhias norte-americanas envolvidas nas cadeias de contratantes dos produtores militares europeus.


Jatos franceses Rafale
Rafale © AFP 2018/ ANNE-CHRISTINE POUJOULAT

"Seria bom se a indústria da França pudesse fabricar produtos totalmente franceses, mas temos que levar em conta o custo do desenvolvimento de cada componente de mísseis complicados como o Scalp. O que será se nenhum país poder arcar com as despesas de compra desses mísseis?", disse Vautravers.

"O problema não é só o jato Rafale — o avião francês com componentes primordialmente franceses – o problema são os mísseis de cruzeiro que podem ser equipados com esta ogiva específica, tornando-a em uma arma de destruição em massa. Obviamente, o governo dos EUA não quer que um país como o Egito possua tais tecnologias", explicou ele.

De acordo com Vautravers, esse tipo de mísseis poderia alterar o equilíbrio de forças em todo o Oriente Médio e criar um problema para toda a região se for usado contra Israel ou a Líbia.

"É por isso que os EUA decidiram recorrer à Regulamentação sobre o Comércio Internacional de Armas (ITAR na sigla em inglês), regras adotadas pelos EUA nos finais dos anos 40 para estabelecer o controle sobre a transferência de tecnologias norte-americanas aos países comunistas e União Soviética."

Adrien Caralp, do Centre d'études des Modes d'Industrialisation — CEMI, disse à Sputnik França que está ficando problemático encontrar fornecimentos domésticos e controlar a sua cadeia durante a produção dos complexos sistemas de armamentos. Aqui há riscos e problemas. Na situação econômica e política atual, é difícil produzir armas de altas tecnologias com base só nos fornecimentos domésticos, disse.

"Claro que há exemplos de cooperação bem-sucedida na Europa, por exemplo, entre a França e o Reino Unido – mas não é fácil cooperar porque cada país europeu tem os seus próprios interesses", adicionou Adrien Caralp.

"Contudo, em junho do ano passado, a Comissão Europeia sugeriu que deve ser criado um fundo para apoiar as capacidades de defesa europeias. Este financiamento adicional poderia mudar a situação", concluiu.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas