Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Chefe da ONU diz que é essencial evitar escalada de tensões no Irã

O chefe da Organização das Nações Unidas (ONU), Antonio Guterres, alertou neste domingo que é essencial evitar “qualquer forma de escalada” das tensões no Golfo, em meio a temores de um conflito após a derrubada de um drone norte-americano pelo Irã na semana passada.
Por Catarina Demony | Reuters

LISBOA (Reuters) - “O mundo não pode permitir um grande confronto no Golfo”, disse Guterres, nos bastidores da Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude, em Lisboa . “Todos devem manter nervos de aço.”

Na quinta-feira, um míssil iraniano destruiu um drone de vigilância dos EUA, em um incidente que o governo norte-americano disse que aconteceu no espaço aéreo internacional.

Trump disse mais tarde que ordenou o cancelamento de um ataque militar em retaliação pela ação que poderia ter resultado em 150 mortes.

Teerã repetiu no sábado que o drone foi abatido sobre seu território e disse que responderia com firmeza a qualquer ameaça dos EUA.

Os comentários de Guterres vêm um dia depois…

Presidente da Turquia revela seus planos sobre Síria

Depois de eliminar o terrorismo em Afrin, o exército turco lidará com esse mesmo problema em Idlib, disse o presidente turco Recep Tayyip Erdogan.


Sputnik

"Continuaremos a luta contra o terrorismo apesar de apelos [dos países ocidentais] de pôr fim à operação em Afrin. A decisão de realizá-la foi tomada com base na opinião e interesse do povo turco. Após lidarmos com os terroristas na área, vamos eliminá-los em Idlib", afirmou Erdogan.


Ofensiva da Turquia na Síria
Tropas turcas na Síria © REUTERS/ Assessoria de Imprensa das Forças Revolucionárias da Síria

Ele também declarou que a Turquia está determinada na limpeza de terroristas no noroeste da Síria para que os refugiados retornem à pátria.

A Turquia vem efetuando a operação militar denominada Ramo de Oliveira em Afrin contra os combatentes curdos desde 20 de janeiro em resposta às declarações dos EUA sobre treinamento de 30.000 membros da força de segurança fronteiriça na Síria, designada por Ancara como "exército terrorista".

O governo sírio condenou severamente a operação militar, chamando-a de violação da soberania do Estado, mesmo a Turquia tendo frisado que a ofensiva não é realizada contra ela, mas contra "os terroristas somente".


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas