Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Novo corte na verba do PROSUB preocupa Comando da Marinha do Brasil

O Comandante da Marinha, almirante de esquadra Eduardo Leal Ferreira, está seriamente preocupado com as consequências negativas de um novo e importante corte nos recursos do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), previstos para o orçamento de 2019.
Por Roberto Lopes e Alexandre Galante | Poder Naval

O Programa, cujos termos foram ajustados em 2009, estabelece a produção, no complexo industrial naval de Itaguaí (RJ), de quatro submarinos de ataque convencionais (propulsão diesel-elétrica) da classe Scorpène, e a assistência técnica francesa para a construção do primeiro submarino nuclear brasileiro.

O primeiro submarino convencional, batizado Riachuelo, deve ser lançado ao mar na manhã da quarta-feira 12 de dezembro.

Em novembro de 2016, reunido com lideranças da Base Industrial de Defesa, em São Paulo, o então ministro da Defesa, Raul Jungmann, estimou o valor total do investimento brasileiro no PROSUB em 30 bilhões de Reais.

O Poder Naval não teve acesso aos valores da reduçã…

Que grupos rebeldes lutam em Ghouta Oriental?

Combates entre o regime e grupos rebeldes se tornaram mais intensos neste subúrbio de Damasco nos últimos dias. Saiba quais são as principais organizações envolvidas nas lutas.


Wesley Dockery | Deutsch Welle

O subúrbio de Ghouta Oriental é uma das últimas áreas sob controle de grupos rebeldes na Síria. Os rebeldes, que lutam para derrubar o presidente Bashar al-Assad, estão sendo bombardeados por jatos militares do governo sírio. As Nações Unidas descreveram os bombardeios como "sofrimento humano absurdo."


default
Um combatente do grupo Jaysh al-Islam, o maior em Ghouta Oriental

Cerca de 400 mil pessoas residem em Ghouta Oriental, um subúrbio de Damasco, e o território controlado pelos rebeldes é de cerca de 100 quilômetros quadrados.

Os grupos rebeldes sírios estão negociando com a Rússia, um dos principais aliados de Assad, para encerrar os bombardeios em Ghouta Oriental.

"Estamos tentando fazer o que pudermos, negociando com os próprios russos para que eles intercedam pelo fim desse massacre", afirmou o chefe da equipe de negociação da oposição síria, Nasr al-Hariri, à agência de notícias DPA.

A violência na região faz parte da ampliação da ofensiva por parte das Forças Armadas de Assad para tentar encerrar a revolta contra o regime, que já se estende por sete anos.

Estes são os três principais grupos rebeldes em Ghouta Oriental:

Jaysh al-Islam: o Jaysh al-Islam, ou Exército do Islã, é uma coalizão baseada na área de Damasco e em Ghouta Oriental. Ele luta para substituir o governo Assad por um governo baseado no sharia (lei islâmica). O fundador do grupo, Zahran Aloush, é o responsável por recrutar muitos dos seus membros e ampliou o arsenal de equipamento militar. Ele foi morto por militares sírios em 2015, num ataque aéreo. O novo líder é Abu Hammam al-Buowadani. Esta é a maior facção rebelde na região de Ghouta Oriental, com cerca de 10 mil a 15 mil membros. O grupo teria recebido dinheiro da Arábia Saudita, mas nega essa alegação.

Faylaq al-Rahman: a Faylaq al-Rahman, ou Legião al-Rahman, também é baseada em Ghouta Oriental e é aliada ao Catar. Ela está ligada ao Exército Livre da Síria, uma das maiores coalizões rebeldes, formada no início da guerra civil, em 2011. A organização se descreve como "uma entidade revolucionária militar objetivando a queda do regime sírio", mas não pretende transformar a Síria num Estado islâmico. O grupo possui mísseis antitanque BGM-71 TOW, de fabricação americana. A organização é rival do Jaysh al-Islam e se aliou à Hay'at Tahrir al-Sham.

Hay'at Tahrir al-Sham: a organização salafista Hay'at Tahrir al-Sham, ou Organização para a Libertação do Levante, é basicamente formada por membros da antiga Frente al-Nusra e já foi acusada de ser a filial local da Al Qaeda. O grupo nega fazer parte da rede terrorista. Ele é liderado por Hasim al-Sheikh, também conhecido como Abu Jabr, e é baseado na cidade de Idlib, no noroeste do país. O organização defende o uso de violência para implementar uma doutrina religiosa ultraconservadora.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas