Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Israel realiza novos bombardeios na Faixa de Gaza após queda de foguete

Aviação israelense atacou instalações subterrâneas em Gaza. Foguete disparado de Gaza caiu em cidade israelense sem causar vítimas.
France Presse

Aviões de guerra israelenses realizaram novos ataques na madrugada desta segunda-feira (19) na Faixa de Gaza, onde a tensão foi reduzida, mas sem dissipar todo o fantasma de um novo confronto.

A aviação israelense atacou instalações subterrâneas no sul do território do movimento palestino Hamas, afirmou em um comunicado.

Israel respondeu assim ao disparo de um foguete lançado no domingo à noite a partir da Faixa de Gaza - o segundo em 24 horas - e que caiu sem causar vítimas nas proximidades de Sderot, cidade israelense perto do enclave palestino.

O exército de Israel manteve sua política de resposta sistemática a qualquer intervenção hostil a partir dos territórios palestinos, onde travou três guerras contra o Hamas e grupos armados palestinos aliados desde 2008.

Israel usará "todos os meios à sua disposição" para garantir a segurança d…

Rússia adverte EUA que seus aviões encontrarão caças russos na Crimeia

O Ministério de Defesa da Rússia advertiu nesta quinta-feira aos Estados Unidos que a Crimeia é território russo e que os aviões espiões americanos que se aproximarem dessa península se encontrarão com caças russos, e não com ucranianos.


EFE

"Gostaríamos de lembrar ao comandante do Grupo Operativo 67 da Sexta Frota (dos EUA) que a Crimeia é território inalienável da Rússia. Ao enviar seus pilotos em missões de reconhecimento a essa área do mar Negro, deve levar em conta que serão recebidos por caças russos, não pelos seus parceiros ucranianos", destaca um comunicado da Defesa russa.

Comemoração do aniversário de 3 anos da anexação da Crimeia em foto de 2017. EFE/EPA/Maxim Shipenkov
Comemoração do aniversário de 3 anos da anexação da Crimeia em foto de 2017. EFE/EPA/Maxim Shipenkov

A outra opção, segundo acrescenta a nota com tom irônico, "é distribuir entre todas as tripulações os novos mapas com o traçado correto das fronteiras do espaço aéreo da Rússia".

O Ministério russo respondeu assim ao Departamento de Estado dos Estados Unidos, que acusou a Rússia de ter praticado há dois dias uma manobra militar perigosa em espaço aéreo internacional sobre o mar Negro.

Segundo os EUA, um caça SU-27 russo voou a pouco mais de um metro e meio de um avião-patrulha EP-3 da Marinha americana, "violando flagrantemente as leis e acordos internacionais".

O Ministério de Defesa russo respondeu que o EP-3 se aproximou da fronteira do espaço aéreo da Crimeia com o transponder desligado, razão pela qual caças russos decolaram para vigiá-lo.

"As manobras do caça russo foram as habituais, absolutamente legais e não representavam nenhum perigo para o avião-patrulha americano", garante o comunicado.

A nota completa que as forças aeroespaciais russas "seguirão garantindo a vigilância das fronteiras do espaço aéreo da Rússia".

"Se isto provoca depressões ou fobias aos pilotos americanos, recomendamos à parte americana que renuncie a estes voos perto das fronteiras russas ou que volte à mesa de negociações para estabelecer as regras", conclui o comunicado.

Postar um comentário