Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Radicais sírios estariam recebendo armamento dos EUA através da fronteira com Jordânia

Enquanto o exército sírio parece estar pronto para uma grande ofensiva na província de Daraa, os grupos radicais que operam na região estariam recebendo grandes remessas de material bélico "Made in USA".
Sputnik

Os grupos militantes que atuam no sul da Síria receberam uma grande quantidade de armas e munições fabricadas nos EUA, incluindo mísseis antitanque TOW, informou a agência de notícias FARS.

De acordo com a FARS, o armamento foi entregue através da fronteira com a Jordânia no âmbito de um novo plano dos EUA para assegurar mais apoio a estes grupos na Síria.

A agência informou também que os grupos militantes na província de Daraa começaram a se preparar para impedir a ofensiva do exército sírio.

No início deste mês, o exército sírio intensificou as ações no sudoeste do país, controlado por radicais, perto da fronteira com a Jordânia e as Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O Ministério da Defesa da Rússia acrescentou que as forças do governo sírio, apoiadas por um grande a…

Rússia quebra proposta de Grã-britânica para condenar o Irã sobre mísseis do Iêmen

A Rússia na quarta-feira derramou água fria sobre uma proposta no Conselho de Segurança da ONU para condenar o Irã por violar o embargo de armas ao Iêmen e pedir novas ações contra Teerã.


Pars Today

A Grã-Bretanha, na semana passada, distribuiu um projeto de resolução que renovaria as sanções no Iêmen por um ano, mas também exigia medidas não especificadas em resposta a um relatório da ONU que descobriu que os mísseis disparados pelos rebeldes Houthi do Iémen na Arábia Saudita foram feitos no Irã.

Rússia quebra proposta de Grã-britânica para condenar o Irã sobre mísseis do Iêmen

O embaixador russo Vassily Nebenzia disse que a medida proposta deve se concentrar na renovação do mandato dos monitores de sanções para o Iêmen em vez de apontar para o Irã. "Não gostamos de condenações, não, em geral", disse Nebenzia, de acordo com observações divulgadas pela missão russa. “É uma resolução sobre a extensão do grupo de trabalho, não sobre o Irã”.

“Portanto, devemos nos concentrar primeiramente em ampliar o grupo de trabalho”, disse ele. O projeto de resolução "condena" o Irã por violar o embargo de armas de 2015 ao Iêmen ao "não tomar as medidas necessárias para evitar o fornecimento, venda ou transferência direta ou indireta" de mísseis balísticos de curto alcance, drones e outros equipamentos militares para os Houthis.

Com o apoio dos Estados Unidos e da França, o texto especifica que o conselho tomará "medidas adicionais para resolver essas violações" e que "qualquer atividade relacionada ao uso de mísseis balísticos no Iêmen" é um critério para as sanções. .

Espera-se que o Conselho de Segurança vote no projeto de resolução na próxima semana. A Rússia tem o poder de bloquear as sanções, recorrendo ao seu veto como um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança, juntamente com Grã-Bretanha, China, França e Estados Unidos.

O relatório dos especialistas da ONU reforçou os EUA e sauditas que alegam que o Irã estava armando os Houthis, apesar das fortes recusas de Teerã. Enquanto o relatório descobriu que Teerã violou o embargo de 2015 ao não bloquear as remessas de equipamentos fabricados no Irã, os especialistas disseram que não conseguiram identificar o fornecedor.

Os EUA repetidamente pediram mais ações para parar o que ele chama dos "exércitos de procuração" do Irã agindo no Iêmen, na Síria, no Líbano e no Iraque. Os EUA no início deste mês impuseram novas sanções a indivíduos e empresas ligadas ao Hezbollah do Líbano - que acredita estar sob o controle iraniano - como parte de um novo e importante impulso da administração Trump para conter a influência iraniana.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas