Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Rússia testa sistema que 'dispersará mísseis inimigos como enxame de mosquitos'

O Ministério da Defesa da Rússia publicou um vídeo dos testes do novo míssil interceptor do sistema de defesa aérea russo, realizados no polígono de Sary-Shagan, no Cazaquistão.


Sputnik

O coronel Andrei Prikhodko assinala que durante os testes o míssil cumpriu a sua missão com êxito e atingiu o alvo estipulado, comunicou a edição Krasnaya Zvezda


Lançamento do míssil renovado A-135 do sistema de defesa antiaérea, no polígono cazaque de Sary-Shagan (foto de arquivo)
Lançamento do míssil A-135 © Sputnik/ Ministério da Defesa da Rússia

De acordo com Prikhodko, o alcance, a precisão e a vida útil do novíssimo míssil superam significativamente seus antecessores. O míssil foi elaborado completamente por fabricantes nacionais e não contém quaisquer componentes estrangeiros.

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista militar Viktor Baranets comentou o lançamento do míssil.

"Existe o sistema de defesa aérea A-135 que protege a nossa capital. Contudo, já que a OTAN vem constantemente modernizando os sistemas de ataque, há tempo que nossas construtoras procuravam elaborar um 'antídoto' [capaz de neutralizar os ataques inimigos]. Então foi decidido modernizar o A-135 ou desenvolver um novo míssil interceptor para este sistema de defesa. Inicialmente o novo míssil foi testado em Plesetsk. Após o lançamento bem-sucedido, para continuar com os testes, o míssil precisou do polígono no Cazaquistão, já que o de Plesetsk é muito pequeno para ele; o míssil precisou de um espaço de grande amplitude", explicou.

"Imaginem um quadro: em pleno verão seu teto está cheio de mosquitos. Você pega um aspirador de pó e esse monte de mosquitos desaparece dentro do aspirador. Agora imagine que você não os suga, mas dispersa com um fluxo de ar fortíssimo. É isso que a nova ogiva vai fazer. Basta soprar, todo esse enxame desaparecerá. Nenhum míssil atingirá Moscou jamais", ressaltou Viktor Baranets.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas