Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Sobre briga por 'mala nuclear': EUA não podem chegar à China abrindo porta com os pés

Algumas mídias noticiaram uma briga entre agentes de serviços especiais por causa da "mala nuclear" do presidente norte-americano, Donald Trump, durante sua visita à China. O especialista em diplomacia, Lev Klepatsky, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, comentou a situação.


Sputnik

Agentes das forças especiais chinesas e norte-americanas se desentenderam por causa da "mala nuclear" de Trump no decorrer da visita do presidente norte-americano à China em 2017, comunica a edição Axios, citando fontes conhecedoras do acontecido.


Mala com códigos nucleares do assistente militar do presidente norte-americano
Mala com códigos nucleares dos EUA © AP Photo/ Alex Brandon

De acordo com a edição, depois de o líder norte-americano passar na sala de negociações com as autoridades chinesas, um funcionário tentou segui-lo com "a mala nuclear". Contudo, um guarda chinês impediu a passagem do acompanhante de Trump. Representantes da delegação norte-americana chamaram o chefe de gabinete da Casa Branca, John Kelly, que decisivamente se dirigiu à sala dizendo "nós entramos".

Em seguida, ocorreu um alvoroço, já que um oficial de segurança chinês agarrou Kelly, que rapidamente se soltou, e depois um agente do serviço secreto dos EUA jogou um funcionário chinês no chão, segundo Axios.

O especialista em diplomacia, Lev Klepatsky, comentou o incidente em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik.

"De acordo com a prática e com o que eu sei, geralmente, tudo é combinado de antemão, ou seja, em conformidade com o protocolo. Não é que essas pessoas [com a mala nuclear] seguem estreitamente após seu chefe, mas estão a uma distância bem curta. Quanto ao incidente, para os EUA, este comportamento meio 'indecente' é típico. Provavelmente, trata-se de uma falha do protocolo, ou 'sondagem' do terreno para ver se os donos [do evento] o aceitarão ou não. Caso a chantagem tenha seu efeito, os [norte-americanos] vão continuar se comportando desse jeito, caso não dê certo, vão ter de agir no âmbito do protocolo", assinalou Klepatsky.

De acordo com ele, os norte-americanos se esqueceram de uma coisa importante nas relações com seus colegas chineses.

"Esse jeito é perigoso caso sejam envolvidos chineses […] Não se trata de um país do Leste Europeu, onde os norte-americanos abrem porta com os pés", acredita o especialista.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas