Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Sobreviventes de ataques atômicos no Japão estão chocados com doutrina nuclear americana

Os japoneses que sobreviveram aos ataques nucleares contra as cidades de Hiroshima e Nagasaki em 1945 estão indignados e preocupados com a nova doutrina nuclear recentemente apresentada por Washington.


Sputnik

"No ano passado, foi reconhecida a atividade das vítimas dos bombardeamentos nucleares, foi apresentado [para celebração no âmbito da ONU] o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares. Porém, se o presidente de uma grande potência planeja aumentar e modernizar as armas nucleares, a eliminação delas se torna impossível no período em que nós, Hibakusha [expressão japonesa usada para se referir às vítimas dos ataques atômicos ocorridos no Japão na Segunda Guerra Mundial], estamos vivos. Estou extremamente revoltado", disse Toshiyuki Mimaki, um dos sobreviventes e chefe da Confederação das Organizações das Vítimas das Bombas Atômicas Nihon Hidankyo, citado pela emissora NHK.


Explosão atômica sobre Hiroshima, 9 de agosto de 1945
Explosão atômica sobre Hiroshima em 9 de agosto de 1945 © REUTERS/ U.S. Army/Hiroshima Peace Memorial Museum

Outro sobrevivente, chefe do grupo de discussão dos Hibakusha no Centro do Movimento pela Paz da prefeitura de Nagasaki, Koiti Kawano, acredita que a "estratégia dos EUA para a produção de ogivas nucleares compactas, que são fáceis de usar, diminui os obstáculos para seu uso e aumenta o risco de uma guerra nuclear".

"O Japão, que tem instaladas bases estadunidenses, não ficará de fora", frisou.

Nesta sexta-feira (2), o Pentágono publicou sua nova doutrina nuclear, onde prestou muita atenção ao desenvolvimento das forças nucleares russas. Entre outras ameaças possíveis à sua segurança nacional os EUA enumeraram a Coreia do Norte, o Irã e a China.

A entidade militar estadunidense anunciou que seus esforços se focariam na produção de ogivas nucleares de baixa potência.

Ademais, a doutrina diz que o Pentágono continuará gastando meios com a modernização das forças nucleares e o desenvolvimento dos elementos da "tríade nuclear" (mísseis intercontinentais e submarinos e bombardeiros estratégicos). Enquanto isso, frisa-se que em geral os EUA estão a favor da redução das armas nucleares, mas criticam o acordo apresentado na ONU sobre a sua proibição completa, pois este não corresponde à agenda atual.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas