Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Sobreviventes de ataques atômicos no Japão estão chocados com doutrina nuclear americana

Os japoneses que sobreviveram aos ataques nucleares contra as cidades de Hiroshima e Nagasaki em 1945 estão indignados e preocupados com a nova doutrina nuclear recentemente apresentada por Washington.


Sputnik

"No ano passado, foi reconhecida a atividade das vítimas dos bombardeamentos nucleares, foi apresentado [para celebração no âmbito da ONU] o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares. Porém, se o presidente de uma grande potência planeja aumentar e modernizar as armas nucleares, a eliminação delas se torna impossível no período em que nós, Hibakusha [expressão japonesa usada para se referir às vítimas dos ataques atômicos ocorridos no Japão na Segunda Guerra Mundial], estamos vivos. Estou extremamente revoltado", disse Toshiyuki Mimaki, um dos sobreviventes e chefe da Confederação das Organizações das Vítimas das Bombas Atômicas Nihon Hidankyo, citado pela emissora NHK.


Explosão atômica sobre Hiroshima, 9 de agosto de 1945
Explosão atômica sobre Hiroshima em 9 de agosto de 1945 © REUTERS/ U.S. Army/Hiroshima Peace Memorial Museum

Outro sobrevivente, chefe do grupo de discussão dos Hibakusha no Centro do Movimento pela Paz da prefeitura de Nagasaki, Koiti Kawano, acredita que a "estratégia dos EUA para a produção de ogivas nucleares compactas, que são fáceis de usar, diminui os obstáculos para seu uso e aumenta o risco de uma guerra nuclear".

"O Japão, que tem instaladas bases estadunidenses, não ficará de fora", frisou.

Nesta sexta-feira (2), o Pentágono publicou sua nova doutrina nuclear, onde prestou muita atenção ao desenvolvimento das forças nucleares russas. Entre outras ameaças possíveis à sua segurança nacional os EUA enumeraram a Coreia do Norte, o Irã e a China.

A entidade militar estadunidense anunciou que seus esforços se focariam na produção de ogivas nucleares de baixa potência.

Ademais, a doutrina diz que o Pentágono continuará gastando meios com a modernização das forças nucleares e o desenvolvimento dos elementos da "tríade nuclear" (mísseis intercontinentais e submarinos e bombardeiros estratégicos). Enquanto isso, frisa-se que em geral os EUA estão a favor da redução das armas nucleares, mas criticam o acordo apresentado na ONU sobre a sua proibição completa, pois este não corresponde à agenda atual.


Postar um comentário