Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

Venezuela realiza manobra cívico-militar ‘Independencia 2018’

O presidente da Venezuela e o comandante em chefe da Força Armada Nacional Bolivariana (FANB), Nicolás Maduro, liderará neste sábado a Ação Defensiva Multidimensional de Ação de Independência 2018, cujo objetivo é fortalecer o sistema defensivo do país caribenho.


Forças Terrestres

“A busca incessante da paz é o principal argumento dos venezuelanos e venezuelanas, e é por isso que esses exercícios de defesa nacional estão sendo organizados, que serão liderados pessoalmente pelo comandante-chefe das Força Armada Nacional Bolivariana, nosso Presidente Nicolás Maduro”, informou o ministro venezuelano de Comunicação e Informação, Jorge Rodríguez.


Manobra cívico-militar Independencia 2018 na Venezuela

Depois de uma reunião realizada na sexta-feira no Palácio Miraflores em Caracas, a capital venezuelana, Rodriguez confirmou que os exercícios militares visam consolidar a preparação do povo e da FANB para preservar a paz que, segundo ele, foi alcançada depois da instalação da Assembléia Nacional Constituinte (ANC) em 30 de julho de 2017.

Nesse mesmo contexto, o ministro venezuelano disse que as manobras serão ativadas em todo o território do país bolivariano para homens e mulheres venezuelanos atuarem em três níveis: estratégico, operacional e tático.

“Insistimos que é o diálogo, a palavra, a busca incessante da paz, o principal argumento dos venezuelanos”, acrescentou Rodríguez.

De acordo com vários informes, espera-se a participação de cerca de 500 mil organizações populares, 300 mil milicianos e 168 mil soldados nas manobras cívico-militares Independencia 2018.

Na última terça, o ministro venezuelano da Defesa, o general Vladimir Padrino López, afirmou que, diante das ameaças que enfrenta a República Bolivariana da Venezuela, o povo e a FANB devem estar unidos em um exercício militar de caráter popular, mas insistiram que “ninguém deve temê-lo”.

Maduro pediu a manobra para mostrar o poder defensivo do país bolivariano diante de ameaças, num momento em que Washington não descartou a opção militar, de acordo com o presidente dos EUA, Donald Trump, de “restaurar a democracia na Venezuela”.

FONTE: www.hispantv.com / COLABOROU: Marcos Aryeh

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas