Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

1º Carro Blindado do Exército no Museu do Expedicionário, em Curitiba

O Museu do Expedicionário, na região da 5ª Região Militar (5ª RM), possui, em seu acervo, uma relíquia utilizada pela Força Expedicionária Brasileira (FEB) durante a Segunda Guerra Mundial: uma Viatura M3 A1 Scout Car. Trata-se do primeiro carro blindado 4 x 4 do Exército Brasileiro, um exemplar dentre as 90 unidades adquiridas na década de 1940.



Forças Terrestres

Curitiba (PR) – A viatura estava sem o motor, por conta da falta de peças para a sua recuperação. No entanto, o motor original foi reinstalado por uma equipe do Parque Regional de Manutenção da 5ª Região Militar (Pq R Mnt/5), para que os visitantes do Museu possam melhor apreciá-lo.


Viatura M3 A1 Scout Car

O M3 A1 Scout Car é composto de um chassi de caminhonete, quatro rodas motrizes, com tração permanente, impulsionado por um motor a gasolina de seis cilindros, com quatro marchas.

O Museu do Expedicionário

Criado em 1946, o Museu ilustra a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial e, em especial, a participação dos soldados paranaenses. Instalado em um prédio histórico, em área central da cidade de Curitiba, abriga um dos maiores acervos sobre a participação do Brasil nesse conflito de proporções globais em solo europeu, com cerca de 25 mil itens.


Esse farto material histórico, além de armas, munição, equipamentos, uniformes e bandeiras, inclui muitas ilustrações, mapas, livros e documentos da época. Estão expostos vários materiais bélicos e armamentos utilizados na guerra pela FEB. Estão expostos, ainda, um blindado, um avião Thunderbolt e outros equipamentos utilizados em campos de batalha italianos.

O Museu era administrado, desde a sua fundação, pela Legião Paranaense do Expedicionário, órgão de ex-combatentes que serviram na FEB, com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Paraná e do Exército Brasileiro. Desde setembro de 2017, o local está sob a administração da 5ª RM.

A Força Expedicionária Brasileira

A FEB se constituía de uma Divisão de Infantaria Expedicionária, composta por Comando e Estado-Maior, três Regimentos de Infantaria, um Esquadrão de Reconhecimento, um Batalhão de Engenharia, uma Artilharia Divisionária, um Batalhão de Saúde e Tropas Divisionárias, com cerca de 25 mil homens. Todo esse contingente passou a integrar o IV Corpo de Exército norte-americano, subordinado ao V Exército Aliado, que tinha como missão manter o máximo das forças inimigas empenhadas ao sul da Itália.

Um dos grandes feitos desses valorosos militares foi o ocorrido em 21 de fevereiro de 1945, quando a 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária lançou-se ao ataque a Monte Castello e, às 17h30, a Bandeira Brasileira tremulava altiva em solo italiano. A FEB sofreu, somente naquele dia, 112 baixas.

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

Postar um comentário

Postagens mais visitadas