Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Quem vai receber 'resposta esmagadora' do Irã pelo atentado em Ahvaz?

No sábado (22), militantes armados abriram fogo contra uma parada militar na cidade de Ahvaz, matando 29 pessoas e ferindo outras 60. O Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, que perdeu 12 de seus militares no atentado, prometeu que o Irã daria uma "resposta esmagadora" aos envolvidos no ataque. Mas de quem Teerã irá se vingar?
Sputnik

A responsabilidade pelo atentado foi assumida pelo Movimento Democrático Patriótico Árabe de Ahvaz (Al-Ahvazia), ligado à Arábia Saudita.

O líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, comentando a tragédia, afirmou que os atacantes receberam dinheiro da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos e que tinham sido apoiados pelos EUA.

Ex-chefe do Conselho de Cultura da administração presidencial iraniana, doutor Abbas Amirifar, acredita que por trás do ataque em Ahvaz estão países do Ocidente que "têm uma atitude hostil perante o Irã".

"Vale destacar que os terroristas que disseram estar envolvidos no atentado instalaram-se no Oc…

A adoção do caça F-35 pelo Japão apresenta vários problemas

O Japão está comprando o melhor e mais caro avião de guerra da América, mas o programa vem acompanhado de importantes problemas colaterais


Por Peter J. Brown | Asia Times | Poder Aéreo

Na última semana de fevereiro, VIPs militares e civis dos EUA e japoneses se reuniram na Base Aérea de Misawa para uma celebração realizada pela 3ª Air Wing da Japan Air Self Defense Force (JASDF) para receber seu primeiro avião de combate F-35A.


Primeiro F-35A do Japão, apresentado em 5 de junho de 2017 em Nagoya e fabricado pela Mitsubishi Heavy Industries (MHI)

Este foi o segundo F-35A a rolar da nova linha de montagem nas instalações da Mitsubishi Heavy Industries em Nagoya. A Força Aérea de Autodefesa do Japão agora opera seis F-35As, com quatro atribuídos à Base da Força Aérea de Luke no Arizona, onde o treinamento para pilotos da JASDF e equipes de manutenção está em andamento.

O Japão concordou em comprar 42 F-35As, e agora está considerando 20 adicionais, para um total de 62 aeronaves. O Japão também está considerando a possível aquisição da versão de decolagem curta e pouso vertical F-35B, para emprego a bordo de navios ou em ilhas com aeroportos de pistas curtas, juntamente com o padrão F-35A.

A JASDF é uma das três forças aéreas asiáticas que voam F-35As, juntamente com a Austrália e a Coreia do Sul; Singapura ainda está explorando a opção.

O F-35 é o programa de armas mais caro já realizado pelos EUA, mas é qualidade sobre quantidade: há apenas 260 F-35s em operação em todo o mundo, com 180 em produção. A Lockheed Martin é o contratante principal.

Cada avião F-35 custa mais de US$ 100 milhões. Em 2 de março, o ministro japonês da Defesa, Itsunori Onodera, informou o país que o F-35B está sendo estudado para possível emprego a bordo do porta-helicópteros Izumo da Força Marítima de Autodefesa do Japão (JMSDF). Aeronaves não tripuladas também estão em consideração.

O fim do F-3?

A decisão do Japão de proceder com a compra de 20 aviões de combate adicionais F-35A afeta o futuro do caça F-3, que o Japão vem desenvolvendo há vários anos como um complemento, se não substituto, do avião de combate F-2.



Demonstrador de tecnologia ATD-X

O F-3 é um programa de demonstração de tecnologia de combate experimental de quinta geração desenvolvido pelos japoneses, designado como X-2 Shinshin ou ATD-X. A decisão dos EUA de não vender aeronaves furtivas Lockheed-Martin F-22 Raptor para o Japão desencadeou esse esforço liderado pela Mitsubishi Heavy Industries. Um protótipo do X-2 voou em abril de 2016.

De acordo com Garren Mulloy, professor associado de Relações Internacionais na Universidade Daito Bunka em Saitama, a compra do F-35 foi sempre planejada para substituir a aeronave F-4 Phantom da JASDF, pois o mais novo F-4 tem quase 40 anos.

“O F-2 foi desenvolvido como alternativa à compra de mais F-15 para substituir o caça F-1 (que o Japão desenvolveu e construiu por conta própria)”, disse Mulloy por e-mail. Ele prevê que, por enquanto, não haverá desenvolvimento adicional de pré-produção do F-3. “O anúncio do F-35 em 2011 foi surpreendente de uma única maneira: o Ministério da Defesa sentiu a necessidade de ser tão explícito sobre os motivos da sua decisão … com base em parte no ajuste relativamente pobre do F-35 para as necessidades/desejos declarados da JASDF – que incluem preferências por dois motores, longo alcance, código aberto compartilhado e desenvolvimento doméstico”, disse Mulloy.

Mulloy emite uma mensagem cautelosa para qualquer país que esteja considerando uma compra do F-35. “Eles correm vários riscos, em questões técnicas e geopolíticas. Os EUA são um parceiro confiável como nas gerações anteriores?”, perguntou Mulloy. “O Japão buscou muitas opções, incluindo os F-18 Super Hornet, Rafale, Typhoon, e até mesmo o Gripen estava na competição, mas não o F-3 pois não existia, nem qualquer Sukhoi (russo), que poderia ter dado a qualquer aeronave ocidental uma disputa difícil, particularmente com a aviônica japonesa”.

Ele descreve o Japão como ainda interessado em cooperar com o Reino Unido e a Alemanha no estágio 2 do caça F-3 como um possível desenvolvimento do Eurofighter em estágio 2. “O Japão também está olhando muito de perto a cooperação com mísseis ar-ar”, acrescentou.

Se o Japão prosseguir para comprar o F-35B – o que é problemático apenas no ponto de vista dos custos – levanta-se mais questões sobre as capacidades táticas globais de seus porta-helicópteros de classe Izumo.

Um braço aeronaval crível?

“Se convertidos, os porta-helicópteros Hyuga e Izumo só poderiam operar um pequeno número de aeronaves: cada Izumo seria capaz de operar realisticamente 10 caças F-35B no máximo, limitando muito a capacidade de operar uma força de helicópteros de guerra antissubmarino (ASW) crível, quer é o motivo declarado para o desenvolvimento dos navios”, disse Mulloy. “Qual, além da missão ASW, é o objetivo do Izumo? Isso não está claro. O Hyuga é um navio grande, com a capacidade de operar uma grande quantidade de helicópteros de apoio. O Izumo pode operar mais aeronaves, mas tem armas extremamente limitadas. Parece um design intermediário: nem destróier, nem navio-aeródromo.”

Com constantes tensões sobre as ilhas disputadas de Senkaku/Diaoyu, as questões sobre esses navios e suas aeronaves a bordo são fundamentais para a capacidade do Japão de manter sua integridade territorial. “As Senkakus estão muito longe das bases da JASDF, e a Força Aérea Chinesa e as violações civis chinesas do espaço aéreo japonês na área são uma grande preocupação.

Os F-15 decolam de Naha para responder, então ter uma capacidade de resposta mais local faz sentido, assim como uma capacidade de suporte da aviação naval para a nova brigada anfíbia da Força Terrestre de Autodefesa (JGSDF)”, disse Mulloy. “Não há um plano de apoio aéreo próximo para a brigada diferente dos helicópteros da JGSDF no momento, além de confiar nas aeronaves do USMC e USN”.

Em janeiro, 350 soldados da Primeira Brigada Anfíbia de Desdobramento Rápido da Força Terrestre de Autodefesa do Japão começaram a treinar com os fuzileiros navais dos EUA na Califórnia. O objetivo é ter a nova brigada operacional até 1º de abril.

“Esta opção do F-35B na JMSDF seria muito cara, difícil de sustentar – manter um navio-aeródromo em estação exigiria um mínimo de três desses navios, juntamente com 30 aeronaves – e chega no momento em que a JMSDF se esforça para manter sua frota atual em operação devido a mão-de-obra limitada”, acrescentou Mulloy. Quanto ao possível – e não testado – uso de drones como multiplicadores de força e combinações de aeronaves tripuladas e não tripuladas voando juntas, não é segredo que o Japão está trabalhando com Israel, Alemanha e Reino Unido para identificar e desenvolver opções.

No entanto, os drones não são o grande problema que enfrenta a JASDF, que, de acordo com Mulloy, é a “taxa de acionamentos da defesa aérea” e as distâncias envolvidas. “Os incidentes russos são facilmente gerenciados, mas os chineses (intrusões) sobre o Mar da China Oriental são muito desgastantes”, disse Mulloy. Outras questões importantes envolvem quais as aeronaves que substituirão os F-15Js da JASDF e se os F-22 podem ou não estar disponíveis para o Japão e outros aliados dos EUA no futuro.

Custos de compra, custos de sustentabilidade, problemas mais amplos

No entanto, por enquanto, a maior preocupação do Japão será encontrar os recursos necessários para sustentar seus 62 caças F-35A. Cary Russell, diretor de operações militares e questões de apoio de combatentes no Escritório de Responsabilidade do Governo dos EUA, informa que “uma série de questões importantes permanecem em relação aos custos e desafios de sustentação”.

Os EUA estabeleceram um “Escritório de Guerra de Custo” em iniciativas de redução de custos com o objetivo de diminuir os gastos de sustentação do programa F-35 em cerca de 30% até 2022, por exemplo. “Os custos operacionais e de suporte projetados (para o F-35) aumentaram em cerca de 24% do ano fiscal de 2012 a 2016”, disse Russell por e-mail.

Em 2014, o GAO recomendou restrições de acessibilidade para o programa F-35 ligado aos orçamentos de serviço, acrescentou. As questões relacionadas incluem a capacidade de reparo limitada em parques de manutenção e falta de peças. “Está levando uma média de 172 dias para reparar peças do F-35 em parques militares dos EUA. Além disso, de janeiro a 7 de agosto de 2017, as aeronaves F-35 não conseguiram voar cerca de 22% do tempo, devido à falta de peças”, disse Russell.

Os planejadores militares do Japão estão conscientes desses e outros problemas em torno do F-35, mas cada passo tecnológico que o Japão leva para aumentar seu poder militar gera mais tensão diplomática entre os seus vizinhos. A situação do F-35 apresenta assim ao Japão um desafio multifacetado: fiscal, tecnológico, tático e diplomático.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas