Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

A adoção do caça F-35 pelo Japão apresenta vários problemas

O Japão está comprando o melhor e mais caro avião de guerra da América, mas o programa vem acompanhado de importantes problemas colaterais


Por Peter J. Brown | Asia Times | Poder Aéreo

Na última semana de fevereiro, VIPs militares e civis dos EUA e japoneses se reuniram na Base Aérea de Misawa para uma celebração realizada pela 3ª Air Wing da Japan Air Self Defense Force (JASDF) para receber seu primeiro avião de combate F-35A.


Primeiro F-35A do Japão, apresentado em 5 de junho de 2017 em Nagoya e fabricado pela Mitsubishi Heavy Industries (MHI)

Este foi o segundo F-35A a rolar da nova linha de montagem nas instalações da Mitsubishi Heavy Industries em Nagoya. A Força Aérea de Autodefesa do Japão agora opera seis F-35As, com quatro atribuídos à Base da Força Aérea de Luke no Arizona, onde o treinamento para pilotos da JASDF e equipes de manutenção está em andamento.

O Japão concordou em comprar 42 F-35As, e agora está considerando 20 adicionais, para um total de 62 aeronaves. O Japão também está considerando a possível aquisição da versão de decolagem curta e pouso vertical F-35B, para emprego a bordo de navios ou em ilhas com aeroportos de pistas curtas, juntamente com o padrão F-35A.

A JASDF é uma das três forças aéreas asiáticas que voam F-35As, juntamente com a Austrália e a Coreia do Sul; Singapura ainda está explorando a opção.

O F-35 é o programa de armas mais caro já realizado pelos EUA, mas é qualidade sobre quantidade: há apenas 260 F-35s em operação em todo o mundo, com 180 em produção. A Lockheed Martin é o contratante principal.

Cada avião F-35 custa mais de US$ 100 milhões. Em 2 de março, o ministro japonês da Defesa, Itsunori Onodera, informou o país que o F-35B está sendo estudado para possível emprego a bordo do porta-helicópteros Izumo da Força Marítima de Autodefesa do Japão (JMSDF). Aeronaves não tripuladas também estão em consideração.

O fim do F-3?

A decisão do Japão de proceder com a compra de 20 aviões de combate adicionais F-35A afeta o futuro do caça F-3, que o Japão vem desenvolvendo há vários anos como um complemento, se não substituto, do avião de combate F-2.



Demonstrador de tecnologia ATD-X

O F-3 é um programa de demonstração de tecnologia de combate experimental de quinta geração desenvolvido pelos japoneses, designado como X-2 Shinshin ou ATD-X. A decisão dos EUA de não vender aeronaves furtivas Lockheed-Martin F-22 Raptor para o Japão desencadeou esse esforço liderado pela Mitsubishi Heavy Industries. Um protótipo do X-2 voou em abril de 2016.

De acordo com Garren Mulloy, professor associado de Relações Internacionais na Universidade Daito Bunka em Saitama, a compra do F-35 foi sempre planejada para substituir a aeronave F-4 Phantom da JASDF, pois o mais novo F-4 tem quase 40 anos.

“O F-2 foi desenvolvido como alternativa à compra de mais F-15 para substituir o caça F-1 (que o Japão desenvolveu e construiu por conta própria)”, disse Mulloy por e-mail. Ele prevê que, por enquanto, não haverá desenvolvimento adicional de pré-produção do F-3. “O anúncio do F-35 em 2011 foi surpreendente de uma única maneira: o Ministério da Defesa sentiu a necessidade de ser tão explícito sobre os motivos da sua decisão … com base em parte no ajuste relativamente pobre do F-35 para as necessidades/desejos declarados da JASDF – que incluem preferências por dois motores, longo alcance, código aberto compartilhado e desenvolvimento doméstico”, disse Mulloy.

Mulloy emite uma mensagem cautelosa para qualquer país que esteja considerando uma compra do F-35. “Eles correm vários riscos, em questões técnicas e geopolíticas. Os EUA são um parceiro confiável como nas gerações anteriores?”, perguntou Mulloy. “O Japão buscou muitas opções, incluindo os F-18 Super Hornet, Rafale, Typhoon, e até mesmo o Gripen estava na competição, mas não o F-3 pois não existia, nem qualquer Sukhoi (russo), que poderia ter dado a qualquer aeronave ocidental uma disputa difícil, particularmente com a aviônica japonesa”.

Ele descreve o Japão como ainda interessado em cooperar com o Reino Unido e a Alemanha no estágio 2 do caça F-3 como um possível desenvolvimento do Eurofighter em estágio 2. “O Japão também está olhando muito de perto a cooperação com mísseis ar-ar”, acrescentou.

Se o Japão prosseguir para comprar o F-35B – o que é problemático apenas no ponto de vista dos custos – levanta-se mais questões sobre as capacidades táticas globais de seus porta-helicópteros de classe Izumo.

Um braço aeronaval crível?

“Se convertidos, os porta-helicópteros Hyuga e Izumo só poderiam operar um pequeno número de aeronaves: cada Izumo seria capaz de operar realisticamente 10 caças F-35B no máximo, limitando muito a capacidade de operar uma força de helicópteros de guerra antissubmarino (ASW) crível, quer é o motivo declarado para o desenvolvimento dos navios”, disse Mulloy. “Qual, além da missão ASW, é o objetivo do Izumo? Isso não está claro. O Hyuga é um navio grande, com a capacidade de operar uma grande quantidade de helicópteros de apoio. O Izumo pode operar mais aeronaves, mas tem armas extremamente limitadas. Parece um design intermediário: nem destróier, nem navio-aeródromo.”

Com constantes tensões sobre as ilhas disputadas de Senkaku/Diaoyu, as questões sobre esses navios e suas aeronaves a bordo são fundamentais para a capacidade do Japão de manter sua integridade territorial. “As Senkakus estão muito longe das bases da JASDF, e a Força Aérea Chinesa e as violações civis chinesas do espaço aéreo japonês na área são uma grande preocupação.

Os F-15 decolam de Naha para responder, então ter uma capacidade de resposta mais local faz sentido, assim como uma capacidade de suporte da aviação naval para a nova brigada anfíbia da Força Terrestre de Autodefesa (JGSDF)”, disse Mulloy. “Não há um plano de apoio aéreo próximo para a brigada diferente dos helicópteros da JGSDF no momento, além de confiar nas aeronaves do USMC e USN”.

Em janeiro, 350 soldados da Primeira Brigada Anfíbia de Desdobramento Rápido da Força Terrestre de Autodefesa do Japão começaram a treinar com os fuzileiros navais dos EUA na Califórnia. O objetivo é ter a nova brigada operacional até 1º de abril.

“Esta opção do F-35B na JMSDF seria muito cara, difícil de sustentar – manter um navio-aeródromo em estação exigiria um mínimo de três desses navios, juntamente com 30 aeronaves – e chega no momento em que a JMSDF se esforça para manter sua frota atual em operação devido a mão-de-obra limitada”, acrescentou Mulloy. Quanto ao possível – e não testado – uso de drones como multiplicadores de força e combinações de aeronaves tripuladas e não tripuladas voando juntas, não é segredo que o Japão está trabalhando com Israel, Alemanha e Reino Unido para identificar e desenvolver opções.

No entanto, os drones não são o grande problema que enfrenta a JASDF, que, de acordo com Mulloy, é a “taxa de acionamentos da defesa aérea” e as distâncias envolvidas. “Os incidentes russos são facilmente gerenciados, mas os chineses (intrusões) sobre o Mar da China Oriental são muito desgastantes”, disse Mulloy. Outras questões importantes envolvem quais as aeronaves que substituirão os F-15Js da JASDF e se os F-22 podem ou não estar disponíveis para o Japão e outros aliados dos EUA no futuro.

Custos de compra, custos de sustentabilidade, problemas mais amplos

No entanto, por enquanto, a maior preocupação do Japão será encontrar os recursos necessários para sustentar seus 62 caças F-35A. Cary Russell, diretor de operações militares e questões de apoio de combatentes no Escritório de Responsabilidade do Governo dos EUA, informa que “uma série de questões importantes permanecem em relação aos custos e desafios de sustentação”.

Os EUA estabeleceram um “Escritório de Guerra de Custo” em iniciativas de redução de custos com o objetivo de diminuir os gastos de sustentação do programa F-35 em cerca de 30% até 2022, por exemplo. “Os custos operacionais e de suporte projetados (para o F-35) aumentaram em cerca de 24% do ano fiscal de 2012 a 2016”, disse Russell por e-mail.

Em 2014, o GAO recomendou restrições de acessibilidade para o programa F-35 ligado aos orçamentos de serviço, acrescentou. As questões relacionadas incluem a capacidade de reparo limitada em parques de manutenção e falta de peças. “Está levando uma média de 172 dias para reparar peças do F-35 em parques militares dos EUA. Além disso, de janeiro a 7 de agosto de 2017, as aeronaves F-35 não conseguiram voar cerca de 22% do tempo, devido à falta de peças”, disse Russell.

Os planejadores militares do Japão estão conscientes desses e outros problemas em torno do F-35, mas cada passo tecnológico que o Japão leva para aumentar seu poder militar gera mais tensão diplomática entre os seus vizinhos. A situação do F-35 apresenta assim ao Japão um desafio multifacetado: fiscal, tecnológico, tático e diplomático.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas