Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (VÍDEO)

Devido à enorme riqueza natural, a porção de mar sob jurisdição brasileira é também conhecida como Amazônia Azul. A área é um dos mais importantes patrimônios naturais brasileiros e é uma preocupação para o setor de Defesa. Para comentar o assunto, a Sputnik Brasil ouviu Ricardo Cabral, pesquisador da Escola de Guerra Naval da Marinha do Brasil.
Sputnik

O pesquisador falou sobre a importância comercial e estratégica, o potencial energético, científico e as obrigações internacionais do Brasil com as áreas da Amazônia Azule seu entorno. Ele também descreveu o atual estado da esquadra da Marinha brasileira, que carece de investimentos e pleiteia junto ao novo governo federal uma fatia maior do orçamento público, limitado pela Emenda Constitucional nº 95.


Foi a própria Marinha brasileira que cunhou o termo "Amazônia Azul", em referência ao tamanho da biodiversidade e dos bens naturais encontradas em sua área. No entanto, a área marítima é ainda maior do que porção brasileira da flo…

Atentado com carro-bomba deixa mortos em Cabul

Ao menos dois civis morreram após ação de suicida; ataque ainda não foi reivindicado.


France Presse


Um suicida detonou, neste sábado (17), em Cabul, um carro-bomba, matando pelo menos duas pessoas e ferindo várias outras, informou um funcionário do Ministério do Interior afegão.

Resultado de imagem para carro bomba cabul
Reprodução

"Por volta das 9h10 desta manhã, um carro-bomba explodiu no distrito policial 9 de Cabul. Dois civis morreram e outros três ficaram feridos", indicou à AFP o porta-voz do ministério, Najib Danish.

Já o porta-voz do Ministério da Saúde, Wahid Majrooh, indicou quatro feridos.

O ataque ainda não foi reivindicado e acontece dias depois de o general John Nicholson, comandante das forças americanas e da Otan no Afeganistão, dizer que a proteção da capital afegã era uma prioridade para suas tropas.

Cabul tornou-se um dos lugares mais mortíferos do Afeganistão. O Talibã e o grupo Estado Islâmico rivalizam em ferocidade, causando numerosas vítimas civis.

Mais de 10 mil civis foram feridos ou mortos no Afeganistão em 2017 devido ao conflito, de acordo com a ONU. Quase 2.300 morreram ou foram feridos em ataques, o maior saldo de vítimas já registrado.

O presidente Ashraf Ghani propôs em fevereiro discussões de paz com os talibãs. Estes poderiam ser reconhecidos como um partido político se aceitassem um cessar-fogo e reconhecessem a Constituição de 2004.

Os insurgentes rejeitam oficialmente qualquer diálogo com o governo afegão.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas