Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Aviões israelenses pulverizam terras agrícolas palestinas em Gaza com herbicidas tóxicos

Aviões israelenses pulverizaram substâncias químicas tóxicas e herbicidas perigosos em terras agrícolas em toda a Faixa de Gaza assediada, já que os regimes de Tel Aviv continuam seus atos de agressão contra o enclave palestino empobrecido.


Pars Today


Nizar al-Wahedi, do Ministério da Agricultura Palestino, disse que os herbicidas foram utilizados na fronteira entre a Faixa de Gaza e os territórios palestinos ocupados no domingo. Ele disse que o ministério palestino não estava ciente de que a composição dos produtos químicos israelenses era pulverizada em terras agrícolas palestinas. 


Aviões israelenses pulverizam terras agrícolas palestinas em Gaza com herbicidas tóxicos

"Israel não tem o direito de pulverizar herbicidas em terras palestinas", disse Wahedi. Agricultores palestinos dizem que as tropas israelenses pulverizam a terras para secar plantas nativas em torno de cercas de segurança para ter visão clara para assistir a área, mas geralmente pulverizam dezenas de metros em torno de suas áreas visadas, matando e prejudicando as colheitas palestinas.

O contínuo bloqueio israelense da Faixa de Gaza está colocando a vida das pessoas em risco, cobrando um peso considerável no setor agrícola do enclave. Os agricultores estão lutando para atender demandas crescentes de 1,8 milhões de habitantes de Gaza que vivem no aperto do cerco israelense.

Devido ao declínio da produção e à proibição de Israel da entrada de produtos básicos, os agricultores de Gaza buscaram o uso de substâncias químicas proibidas para maximizar o rendimento das culturas. Isso representa um grave risco para a saúde tanto para os agricultores quanto para os consumidores.

As Nações Unidas frequentemente manifestaram sua preocupação com o uso excessivo de pesticidas tóxicos pelos agricultores de Gaza. Muitos especialistas médicos em Gaza estão preocupados com o aumento do número de pacientes registrados em câncer de Gaza, especialmente nas áreas agrícolas. Eles alertam que as crianças são mais suscetíveis a doenças como a leucemia do que os adultos em tais regiões.

A Faixa de Gaza tem estado sob o bloqueio de Israel desde junho de 2007. O cerco paralisante causou um declínio nos padrões de vida, bem como níveis de desemprego sem precedentes e pobreza implacável. Israel lançou sua última guerra na Faixa de Gaza no início de julho de 2014. Cerca de 2.200 palestinos, incluindo 577 crianças, foram mortos no ataque de 50 dias de Israel. Mais de 11.100 outros - incluindo 3.374 crianças, 2.088 mulheres e 410 idosos - também sofreram lesões.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas