Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Chancelaria russa expulsa de Moscou 23 diplomatas britânicos como personae non gratae

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou personae non gratae 23 funcionários da embaixada do Reino Unido em Moscou, exigindo a sua expulsão no prazo de uma semana, comunica o site oficial da entidade diplomática russa.


Sputnik

"23 funcionários da Embaixada do Reino Unido em Moscou são declarados personae non gratae e expulsos no prazo de uma semana ", diz-se no comunicado.


Embaixada do Reino Unido em Moscou (foto de arquivo)
Embaixada do Reino Unido em Moscou © AP Photo/ Aleksandr Zemlyanichenko

De acordo com o comunicado, tomando em consideração a disparidade no pessoal dos consulados dos dois países, a Rússia também retira seu aval para a abertura e funcionamento do Consulado Geral do Reino Unido em São Petersburgo.

Os respectivos procedimentos serão efetuados em conformidade com os padrões do direito internacional, adiantou o ministério. Para mais, a chancelaria advertiu Londres de que, caso esta promova outras ações hostis em relação à Rússia, ela mantém o direito de introduzir outras medidas de retaliação.

As relações russo-britânicas se agravaram na sequência do envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha Yulia. Em 4 de março, eles foram achados inconscientes perto de um shopping em Salisbury, no Reino Unido. De acordo com a polícia, eles foram envenenados com um gás neurotóxico, batizado de Novichok, alegadamente produzido na Rússia.

Em 12 de março, a premiê britânica, Theresa May, acusou a Rússia de estar envolvida no crime, tendo anunciado a expulsão de 23 diplomatas russos e a suspensão de todos os contatos de alto nível.

Moscou, por sua vez, descarta qualquer relação com o crime, enquanto o chanceler russo, Sergei Lavrov, qualificou todas as acusações como "besteira". A Rússia apela a realizar uma investigação conjunta do incidente em Salisbury. Além disso, o Comitê de Instrução russo, por seu turno, iniciou um processo penal relativo ao atentado contra a vida da cidadã russa Yulia Skripal.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas