Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Poloneses pedem a Trump ajuda para conseguir indenização da Rússia e Alemanha pela 2ª Guerra

Um auto-proclamado "partido bíblico antiglobalista" pró-EUA e pró-Israel da Polônia, que se autodenomina "Movimento 11 de novembro", criou uma petição no site We the People da Casa Branca pedindo ao presidente Donald Trump ajude a obter "compensação adequada" da Rússia e da Alemanha por danos causados ​​na Segunda Guerra Mundial.
Sputnik

"Os poloneses livres estão apelando para os EUA, o vencedor na Segunda Guerra Mundial e o fiador dos acordos do pós-guerra, para obter ajuda na recuperação das reparações de guerra da Alemanha e da Rússia", diz a petição.


Além de alcançar a "justiça histórica", uma campanha de reparações bem-sucedida desempenharia "um papel fundamental na Polônia, tornando-se um forte aliado dos Estados Unidos diante da ameaça que surge na Europa e na Ásia — um novo Império do Mal".

Falando ao The New American, uma pequena revista de propriedade da John Birch Society, o co-autor e vice-presidente do Movimento 11…

Como é possível prevenir ataque dos EUA contra Damasco? Analista explica

A Rússia apelou para que os EUA abandonem os "planos irresponsáveis" quanto à Síria. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, especialista Boris Dolgov comentou a situação.


Sputnik

Moscou apela novamente para que Washington abandone os "planos irresponsáveis" em relação à Síria, que podem provocar um agravamento irreversível da situação, lê-se no anúncio da embaixada russa nos EUA.


Fumaça em Ghouta Oriental
Fumaça em Ghouta Oriental © AFP 2018/ Ammar Suleiman

"Poucos dias atrás, alertamos Washington da tentação de utilizar na Síria, perante as provocações regulares de militantes, o uso de armas químicas contra civis para realizar ataques contra Damasco. As ameaças da representante dos EUA na ONU [Nikki Haley] de realizar tais ações, bem como o aumento da pressão por parte da mídia ocidental devem, pelo visto, fazer com que o público aceite sua inevitabilidade", assinalou a embaixada, acrescentando que não está claro quem Washington apoia em Ghouta Oriental.

De acordo com diplomatas russas, é a Frente al-Nusra (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) que controla toda a "resistência", que por anos continua atacando zonas residenciais da capital do país, incluindo as instalações diplomáticas russas.

"Estamos mais uma vez pedindo a Washington para abandonar declarações e planos irresponsáveis que podem levar a uma escalada irreversível do conflito. Enquanto isso, não será possível desviar nossa atenção da Síria por meio do 'caso britânico'. A Síria continua permanecendo no foco da diplomacia russa", frisou a embaixada.

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, especialista em ciências políticas, Boris Dolgov explicou como é possível impedir os EUA de realizar ataque contra Damasco.

"Não se sabe se os EUA ouvirão ou não a advertência da embaixada russa. Estes já aplicaram tal tipo de interferência militar, ao realizar ataque com mísseis de cruzeiro contra a base síria militar, acusando Damasco no alegado uso das armas químicas", explicou o especialista, adicionando que todas as acusações de Washington eram absurdas e completamente infundadas.

"Contudo, […] EUA se acham uma potência hegemônica no palco internacional e um país a quem cabe decidir o que fazer e que métodos aplicar para resolver conflitos a seu favor. O interesse dos EUA na Síria é a eliminação do regime de Bashar Assad", assinalou.

"Em minha opinião, a interferência militar na Síria pode ser impedida por anúncios de diplomatas russos, bem como por anúncios já declarados por parte dos militares russos que prometeram responder em caso da ameaça à vida de pessoas", concluiu Boris Dolgov.

Nesta terça-feira (13), o chefe do Estado-Maior General da Rússia, general do exército Valery Gerasimov declarou que o Ministério da Defesa da Rússia está pronto para tomar medidas de retaliação contra um possível ataque de mísseis dos EUA a Damasco se os militares russos forem ameaçados.

"Em caso de ameaça à vida de nossos militares, as Forças Armadas da Federação da Rússia vão aplicar medidas de retaliação, tanto contra mísseis, como contra os portadores que vão usá-los", assinalou Gerasimov.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas