Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Mílicia de Lugansk denuncia chegada de mercenários estrangeiros a Donbass

Milícia independentista da república autoproclamada de Lugansk tem informações sobre a chegada a Donbass de mercenários estrangeiros para combater ao lado de militares ucranianos, declarou na sexta-feira (19) o representante oficial da entidade responsável pela defesa da república, Andrei Marochko.
Sputnik

"Segundo os nossos dados, nesta semana ao povoado de Popasnaya, na zona de responsabilidade da 14ª brigada mecanizada das Forças Armadas da Ucrânia, chegaram 20 mercenários que falavam as línguas georgiana e polonesa", contou Marochko.


Em 2014, as autoridades ucranianas iniciaram uma operação militar contra as repúblicas populares de Donetsk e de Lugansk, que declararam sua independência depois do golpe do Estado que ocorreu na Ucrânia em 2014. Segundo as últimas estimativas da ONU, as ações militares em Donbass resultaram na morte de mais de 10 mil pessoas.

Em fevereiro de 2015, as partes em conflito assinaram os acordos de paz de Minsk para acabar com os combates na região, …

Damasco se prepara para contra-atacar EUA, diz analista

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman Al Saud, em visita oficial à Casa Branca, encontrou-se com o presidente Donald Trump na última terça-feira (20). Especialistas árabes acreditam que esse encontro possa vir a influenciar situação da Síria e de todo o Oriente Médio.


Sputnik

O cientista político Salem Zahran afirmou à Sputnik Árabe que são esperados dois possíveis ataques a Damasco.


Homens armados das tropas governamentais em caminhões no leste de Deir ez-Zor, Síria
Tropas sírias em Deir ez-Zor © AP Photo/ Sem credenciais

Zahran disse que visitou recentemente Damasco e se encontrou várias vezes com autoridades sírias. Segundo ele, pode-se afirmar que Damasco está se preparando para contra-atacar.

De acordo com o especialista libanês, pessoas comuns de Damasco não estão atentas às inúmeras ameaças dos EUA, a vida segue de modo habitual. No entanto, na esfera oficial, autoridades e militares consideram duas opções principais para o ataque à Síria.

"Em primeiro lugar, pode ser um ataque com mísseis em decorrência do encontro do príncipe árabe com o presidente norte-americano. Depois do último encontro, a base aérea síria de Shayrat foi atingida. Nesse caso, a resposta da Síria não será dirigida contra o Daesh ou contra a Frente al-Nusra, mas será direcionada para as bases americanas no território da Síria. Elas já estão marcadas nos mapas como possíveis alvos para o contra-ataque", explica o especialista.

"Em segundo lugar, as autoridades sírias esperam uma intensificação da guerra psicológica e de informação para intimidar a Síria. A presença de Bashar Assad em Ghouta Oriental foi um aviso de tal ataque", acrescentou.

Em relação a um possível ataque de Israel, o especialista comentou que o país participaria da guerra sob três condições: se os EUA liderarem a campanha militar, se outros países da OTAN participarem ou se alguns países árabes apoiarem oficialmente o ataque.

"Não acredito que Israel inicie uma guerra por conta própria", reforçou Salem Zahran.

Finalizando, o especialista destacou a importância de Moscou no confronto.

"Hoje a Rússia escreve a história, devolvendo o equilíbrio à arena política. A unipolaridade americana está ficando no passado", destacou.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas