Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Diplomatas russos serão expulsos de 14 países de UE por ataque a ex-espião

Diplomatas da Rússia serão expulsos de 14 países da União Europeia (UE) em resposta ao episódio do envenenamento de um ex-espião russo e de sua filha em Salisbury, no Reino Unido, anunciou nesta segunda-feira o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.


EFE

"Hoje, 14 Estados-membros decidiram expulsar diplomatas russos como consequência direta das discussões do Conselho na semana passada sobre o ataque em Salisbury. Não estão excluídas medidas adicionais, entre elas mais expulsões, nos próximos dias e semanas", escreveu Tusk no Twitter.


Donald Tusk e Jean-Claude Juncker em foto de 23 de março. EFE/Julien Warnand
Donald Tusk e Jean-Claude Juncker em foto de 23 de março. EFE/Julien Warnand

O presidente do Conselho Europeu lembrou que, na última quinta-feira, os líderes da UE, reunidos em uma cúpula, expressaram apoio ao Reino Unido, ao assinalarem que é "altamente provável" que a Rússia seja responsável pelo ataque e que "não há outra explicação plausível" para o mesmo, e decidiram chamar para consultas o embaixador do bloco em Moscou.

"Seguimos sendo críticos com as ações do governo russo", disse hoje Tusk em entrevista à imprensa, antes do início de uma reunião em Varna, na Bulgária, entre a cúpula da UE e o presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

O presidente da UE não revelou os países concretos que decidiram expulsar diplomatas russos, mas, nas últimas horas, alguns Estados-membros anunciaram essas medidas.

O ministério das Relações Exteriores da França afirmou que expulsará quatro diplomatas russos, enquanto a Itália anunciou a expulsão de dois, segundo anunciou o ministério italiano em comunicado.

Além disso, o primeiro-ministro dinamarquês, o liberal Lars Loekke Rasmussen, indicou que seu país deve expulsar dois diplomatas russos em resposta ao ataque em Salisbury.

O governo dos Estados Unidos, por sua vez, já ordenou a expulsão de 60 funcionários russos e o fechamento do consulado da Rússia na cidade de Seattle, no estado de Washington.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas