Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil abre processo administrativo para apurar vídeo de militares dançando 'Jenifer' em navio

Em nota, a Marinha informou que e 'foi constatado comportamento completamente incompatível com as tradições' e que irá apurar o ocorrido.
Por G1 Rio

A Marinha do Brasil instaurou um processo administrativo para apurar um vídeo em que um grupo de militares aparece dançando a música "Jenifer" em um navio oficial.


A embarcação, segundo a Marinha, é o Aviso de Instrução Guarda-Marinha Brito, que fica sediado no Rio de Janeiro. A gravação foi feita durante o estágio de mar de militares.

Em nota, a Marinha informou que "foi constatado comportamento completamente incompatível com as tradições da Marinha" e que, para ampliar a apuração do ocorrido, foi instaurado um procedimento administrativo "cuja conclusão, certamente, conterá as propostas pertinentes às necessárias correções no inaceitável comportamento".

Assista o vídeo

Embaixador iraquiano: arma russa ajudou a vencer Daesh

O embaixador iraquiano em Moscou, Haidar Mansour Hadi Al-Athari, revelou à Sputnik que o governo do país está estudando a possibilidade de comprar o sistema de defesa antimíssil russo S-400. O titular frisou que o Iraque mantém boas relações com EUA e Rússia, uma vez que o governo fará o que é mais benéfico para ele.


Sputnik

"Quanto a advertências norte-americanas [sobre a compra dos S-400 pelo Iraque], vale destacar que no âmbito do tratado estratégico com Washington, temos relações boas com o país. Simultaneamente, mantemos boas relações com a Rússia, mas o governo tomará a decisão por conta própria. O Iraque e seu governo devem assegurar a proteção de seu território das ameaças externas", explicou embaixador à Sputnik Árabe.


Sistemas de defesa antiaérea S-4000 Triumph (foto de arquivo)
Sistema antimísseis russo S-400 Triumph © Sputnik/ Aleksei Malgavko

"Caso o Iraque tome a decisão sobre a compra deste sistema, a comunidade internacional deve respeitar a postura de Bagdá. Caso tenha objeções por parte dos norte-americanos, tentaremos resolvê-las por métodos diplomáticos. Por enquanto, não tomamos decisão nenhuma quanto ao assunto", assinalou o embaixador.

Quando perguntado sobre a perspectiva da substituição das armas norte-americanas por seus análogos russos, Haidar Mansour Hadi Al-Athari expressou sua visão.

"Não pode se tratar da substituição. Mantemos relações boas com os EUA. Contudo, a maior parte do arsenal militar iraquiano consiste de armas fabricadas na União Soviética. Entre a Rússia e Iraque foram fechados vários contratos sobre o fornecimento das armas com o valor total de US$ 4 bilhões; estão sendo cumpridos até agora", frisou.

"Sem dúvidas, a arma russa foi um dos motivos da nossa vitória sobre o Daesh [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países]. Uma parte dos comandantes iraquianos treinou na Rússia. Nós e a Rússia estamos ligados com laços antigos no campo militar", ressaltou o embaixador.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas