Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Queremos que a Venezuela volte à democracia', diz Bolsonaro a TV dos EUA

Em entrevista à Fox News, o presidente também defendeu o muro para separar EUA do México. Nesta terça, ele vai se encontrar com Donald Trump.
Por G1

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à TV norte-americana na madrugada desta terça-feira (19) que a Venezuela estará no centro das discussões durante o encontro com o presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca, nesta tarde.

Ao canal Fox News, Bolsonaro reafirmou que o presidente norte-americano mantém "todas as opções na mesa"em relação à Venezuela. "Nós não podemos falar em todas as possibilidades, mas o que for possível de forma diplomática", disse Bolsonaro, segundo tradutor da emissora.

A entrevista foi ao ar com tradução simultânea, e em alguns trechos não foi possível ouvir o que o presidente respondeu. Bolsonaro disse que o Brasil é o país mais interessado em pôr fim ao governo de Nicolás Maduro.

O presidente afirmou que o governo brasileiro está alinhado ao de Trump. "Hoje temos nova ideologia,…

Estado-Maior da Ucrânia anuncia nova operação militar em Donbass

Kiev pode começar uma operação militar em Donbass sem interromper as ações "antiterroristas", relatou Yuri Bobrov, oficial do departamento jurídico do Estado-Maior ucraniano.


Sputnik

Ele pediu para se distinguir as definições de operação militar (prevista pela lei da reintegração de Donbass) e de operação "antiterrorista".


Militares ucranianos durante treinamentos dos instrutores da OTAN
Militares ucranianos em treinamento com os da OTAN © Sputnik/ Stringer

"Essa operação foi anunciada em 2014 e, independentemente da implementação dessa lei, a decisão sobre sua extensão ou cessação será tomada pelo chefe do centro antiterrorista do Serviço de Segurança da Ucrânia", comentou Bobrov.

O representante do Estado-Maior expressou sua convicção de que "a operação antiterrorista continuará, independentemente de quando comece ou termine a operação das forças conjuntas".

Segundo Bobrov, a candidatura do comandante das forças conjuntas já está definida e logo será aprovada pelo presidente.

Em janeiro, a Suprema Rada adotou a lei sobre a reintegração de Donbass que concede ao presidente o direito de usar as forças armadas em tempo de paz para defender a soberania do país. Isso permitirá usar o exército no leste sem declarar guerra.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia acredita que a adoção da lei demonstrou definitivamente a intenção de Kiev em resolver o conflito na região de modo violento, ignorando os acordos de paz de Minsk. As repúblicas autoproclamadas também declararam que o documento dá liberdade de ação aos militares e legaliza o uso da violência contra civis.

Em abril de 2014, a Ucrânia lançou uma operação militar em Donbass, onde a rejeição de uma violenta mudança de governo em Kiev, em fevereiro do mesmo ano, deu origem à proclamação das chamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk.

De acordo com a ONU, as hostilidades causaram mais de 10.300 mortes.

Os Acordos de Minsk, assinados em setembro de 2014 e fevereiro de 2015, estabelecem as diretrizes para uma solução negociada para o conflito, mas ainda não levaram a um armistício sustentável.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas