Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

'Forças de Defesa de Israel não deixarão nenhum palestino atravessar a fronteira'

Os organizadores da marcha Dia da Terra, que ocorreu na sexta-feira passada (30) em Gaza, tinham declarado a jornalistas que o evento não teria um caráter violento. No entanto, no protesto as autoridades disparam esferas metálicas e usaram gás lacrimogêneo, o que resultou na morte de 15 palestinos e em cerca de um milhar de feridos.


Sputnik

Kobi Michael, investigador do Instituto de Pesquisa da Segurança Nacional na Universidade de Tel Aviv e ex-chefe do departamento para assuntos da Palestina no Ministério dos Assuntos Estratégicos, compartilhou com a Sputnik International a sua impressão quanto aos acontecimentos.


Policial israelense aponta arma contra manifestantes palestinos, 30 de março de 2018
Policial israelense apontando arma contra palestinos © REUTERS/ Mohamad Torokman

Segundo o analista, o que aconteceu, paradoxalmente é uma espécie de reflexo das medidas de contenção israelenses, pois o Hamas, que está por trás da marcha, de fato, se deu conta de que seus foguetes não podem enfrentar os sistemas de defesa de Israel.

"Os túneis que os radicais usam também são ineficazes, pois Israel já está criando novas estruturas ao longo da fronteira que destroem todos os túneis. Eles não têm outras hipóteses militares. Eles arriscam seriamente, na prática assumindo a responsabilidade pelo assim chamado 'protesto não violento'", opinou analista.

No entanto, o especialista descartou que, mesmo que o Hamas tivesse tentado atrair a atenção para o Dia da Terra, eles não queriam que houvesse muitas vítimas entre os palestinos. Kobi Michael lembrou também que Israel tem algumas restrições e usa meios violentos apenas quando as pessoas tentam atingir as barreiras. Para além disso, tem um perímetro de segurança de cerca de 100 metros de largura, os militares israelenses reagem apenas quando este espaço é violado.

No que diz respeito à forma como Israel encara o Dia da Terra, Kobi Michael destacou que a maioria dos israelenses entende que a marcha é resultado de uma grande decepção entre os palestinos.

De fato, Mahmoud Abbas está na última etapa. A Administração americana com seu último acordo mudou as regras do jogo. O continente europeu, a UE em geral, está quase fora do jogo. O mundo árabe não está com os palestinos: vimos o que aconteceu com os sauditas, egípcios e jordanianos. Eles apoiam a administração americana e, de uma ou de outra maneira, o plano americano", frisou.

O analista, comentando a possibilidade de alguém ultrapassar a barreia e haver provocações, destacou que ninguém conseguiu ultrapassar a barreira, pois foram colocadas grandes forças e meios na área.

"Israel e as Forças de Defesa de Israel não deixarão nenhum palestino atravessar a fronteira e pisar no território soberano de Israel, acredito que Israel declarou isso publicamente e muito claramente. Enquanto os manifestantes não recorrerem à violência, de acordo com promessa do Hamas, eles podem protestar, realizar manifestações e fazer tudo que quiserem, eles têm liberdade de movimento", resumiu analista.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas