Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

General dos EUA admite: não sabemos como sauditas usam nossas armas no Iêmen

O general do Exército dos Estados Unidos, Joseph Votel, admitiu que o país não monitora como as armas que fornece à Arábia Saudita são usadas no Iêmen. Mais de 10 mil civis iemenitas morreram no conflito desde 2015.


Sputnik

Durante uma audiência do Comitê de Serviços Armados do Senado na terça-feira, a senadora Elizabeth Warren perguntou à Votel, chefe do Comando Central dos EUA (Centcom), se a unidade segue o propósito das missões sauditas que reabastece no Iêmen.

"Não", disse Votel.


Um menino olha para a câmera enquanto se senta nos destroços de uma casa destruída por um ataque aéreo liderado pelos sauditas nos arredores de Sanaa, Iêmen.
Menino sobre destroços no Iêmen © REUTERS/ Mohamed al-Sayagh

Warren chamou a atenção para a recente onda de vítimas civis no Iêmen como resultado de ataques aéreos sauditas contra a região. Ela perguntou se a Centcom é capaz de verificar se os combustíveis ou munições dos EUA eram usados como parte dos ataques sauditas que mataram civis.

"Eu não acredito que somos [capazes]", disse Votel.

Desde 2015, os EUA apoiaram forças sauditas com inteligência, munições e reabastecimento e tem sido um importante fornecedor de armas para a Arábia Saudita e seus aliados no conflito.

A partir de outubro de 2017, os EUA forneceram mais de 80 milhões de quilos de combustível e reabasteceram mais de 10.400 embarcações na região do Iêmen, de acordo com o site Military.com.

Em uma pergunta subsequente, Votel disse ao senador Mazie Hirono: "Nós não somos partes desse conflito [no Iêmen]".

Pelo menos 10.000 civis iemenitas morreram e o país está passando por uma fome devastadora e uma epidemia de cólera, segundo a organização não-governamental Oxfam. Além disso, a ONU diz que há 22 milhões de pessoas que precisam de assistência humanitária.

O conflito do Iêmen envolve o grupo rebelde xiita Zaidi, conhecido como Houthis, contra uma coalizão de forças sunitas liderada pela Arábia Saudita e forças leais ao ex-presidente apoiado pelos sauditas, Abdu Rabbu Mansour Hadi, que foi expulso em 2014 pelos Houthis.

Houve uma crescente oposição do Congresso ao papel dos EUA na guerra civil do Iêmen. Duas semanas atrás, os senadores Bernie Sanders, Mike e Chris Murphy apresentaram uma resolução conjunta bipartidária que exige a remoção das Forças Armadas americanas no Iêmen.

O Brasil é outro país que fornece armas aos sauditas e, segundo organizações internacionais, tais armas também estão sendo usadas contra iemenitas.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas