Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

Helicópteros da coalizão dos EUA teriam evacuado chefes do Daesh na Síria

Os helicópteros da coalizão internacional, liderada pelos EUA, evacuaram os líderes do grupo terrorista do Daesh (proibida na Rússia e em vários outros países) nos arredores da cidade de Qamishli, situada no nordeste da Síria, comunicou nesta segunda-feira (19) a agência estatal síria SANA, citando fontes próprias.


Sputnik

De acordo com a edição, três helicópteros realizaram pouso perto da fronteira turca, levando quatro combatentes de origem iraquiana, e voaram em direção desconhecida.


Soldados sírios em Ghouta Oriental
Militares sírios em Ghouta Oriental © Sputnik/ Mikhail Alaeddin

Em dezembro, a mídia síria havia comunicado que a coalizão liderada pelos EUA presta apoio aos terroristas a deixar os territórios, onde o exército sírio reforçava sua presença.

Em particular, a agência SANA notificou que helicópteros dos EUA evacuaram os líderes do Daesh da província síria de Deir ez-Zor. Posteriormente, segundo a mídia, os combatentes se juntaram às unidades das Forças Democráticas da Síria (FDS), apoiadas por Washington.

Em novembro, helicópteros dos EUA teriam evacuado os chefes estrangeiros do Daesh da cidade síria de Al-Mayadin, duas semanas antes do início da operação de libertação da cidade pelo exército sírio.

A Rússia qualifica tais informações como sinais de uma "colaboração estreita" entre Washington com grupos armados no território sírio.

Assim, de acordo com o senador Franz Klintsevich, o Pentágono tenciona salvar os combatentes de uma "derrota total" para que eles possam continuar a guerra terrorista contra o exército sírio.

"Dá para perceber sua intenção em usá-los [terroristas] na luta contra tropas governamentais, ao juntá-los com as FDS", assinalou.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas