Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Irã desmente suposto envio de armas ao Iêmen

O ministro iraniano de Defesa, Amir Hatami, desmentiu acusações sobre o suposto envio de armas ao Iêmen, um plano dos Estados Unidos e seus aliados, afirmou, para desviar a atenção de seus crimes no país árabe.


Prensa Latina

Teerã - 'Enquanto Iêmen estiver sob estreito assédio e bloqueado para receber medicamentos e alimentos, o fornecimento de armas e mísseis é impossível', assegurou o general de brigada durante um encontro com a embaixadora holandesa, Susana Trestal, difundido hoje aqui.

Ministro iraniano de Defesa, Amir Hatami | Reprodução

Estadunidenses e seus aliados tentam confundir a opinião pública mundial dos crimes que são cometidos na nação árabe, afirmou.

Hatami exortou aos Países Baixos, como membro não permanente do Conselho de Segurança da ONU, a tomar posições para evitar o massacre de mulheres, crianças e outras pessoas inocentes no Iêmen.

Anteriormente, um comunicado da chancelaria iraniana rechaçou acusações da Arábia Saudita sobre a suposta entrega por Teerã de mísseis e armas ao Iêmen.

Os comentários de funcionários sauditas estão muito relacionados com o desespero do reino por seu fracasso no Iêmen, precisou o porta-voz do Ministério iraniano de Relações Exteriores, Bahram Qassemi.

Quando Riad e seus aliados, incluindo os Emirados Árabes Unidos, começaram a guerra, pensaram que podiam alcançar seu objetivo de ocupação, mas após três anos, somos testemunhas do afundamento da Arábia Saudita no pântano e de seus propósitos frustrados, explicou Qassemi.

Segundo o porta-voz, Irã não enviou armas àquela nação árabe que sempre dispôs de muito armamento no passado proveniente da desaparecida União Soviética.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas