Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Irã diz que negociaria sobre mísseis se EUA e Europa destruírem os seus

O porta-voz das Forças Armadas iranianas, o general Masud Jazayeri, declarou que o Irã estaria disposto a negociar seu controverso programa de mísseis se os Estados Unidos e a Europa destruírem seu armamento similar.


EFE

"A condição para negociar sobre os nossos mísseis é a destruição das armas nucleares e dos mísseis de longo alcance dos Estados Unidos e da Europa", disse Jazayeri, segundo a imprensa iraniana.


Resultado de imagem para programa de mísseis irã
Lançamento de míssil Fateh, do Irã © AFP 2018/ ARASH KHAMOUSHI / ISNA NEWS AGENCY

O porta-voz militar apontou que a intenção de Washington de limitar as capacidades balísticas do Irã é "uma ambição inatingível que indica seu fracasso na região".

Os EUA exigiram que Teerã limite seus programas armamentísticos como condição para permanecer no acordo nuclear, assinado em 2015 entre Irã e Grupo 5+1 (EUA, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha).

Vários países europeus, entre eles a França, expressaram temor pelos mísseis balísticos e pelo envolvimento do Irã em vários conflitos regionais, como o da Síria e o do Iêmen.

Às capacidades defensivas do Irã e à posição da França, cujo ministro de Assuntos Exteriores, Jean-Yves Le Drian, viaja amanhã a Teerã, se referiu ontem o influente responsável iraniano Ali Akbar Velayati.

"Se a visita do ministro francês está destinada à consolidação das relações (bilaterais), é melhor que evite adotar estas posturas negativas", disse o assessor do líder supremo iraniano, Ali Khamenei.

Le Drian denunciou em janeiro a "influência militar devastadora" do Irã no Oriente Médio e pediu que o país persa coopere nos assuntos militares que preocupam o Ocidente.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas