Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Novo corte na verba do PROSUB preocupa Comando da Marinha do Brasil

O Comandante da Marinha, almirante de esquadra Eduardo Leal Ferreira, está seriamente preocupado com as consequências negativas de um novo e importante corte nos recursos do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), previstos para o orçamento de 2019.
Por Roberto Lopes e Alexandre Galante | Poder Naval

O Programa, cujos termos foram ajustados em 2009, estabelece a produção, no complexo industrial naval de Itaguaí (RJ), de quatro submarinos de ataque convencionais (propulsão diesel-elétrica) da classe Scorpène, e a assistência técnica francesa para a construção do primeiro submarino nuclear brasileiro.

O primeiro submarino convencional, batizado Riachuelo, deve ser lançado ao mar na manhã da quarta-feira 12 de dezembro.

Em novembro de 2016, reunido com lideranças da Base Industrial de Defesa, em São Paulo, o então ministro da Defesa, Raul Jungmann, estimou o valor total do investimento brasileiro no PROSUB em 30 bilhões de Reais.

O Poder Naval não teve acesso aos valores da reduçã…

Irã x Israel: guerra entre inimigos é improvável, mas Trump cria grande interrogação

Apesar da alta tensão entre o Irã e Israel, nenhum dos lados está interessado em iniciar uma guerra de grande escala no Oriente Médio. Mas sempre há risco de um "cisne negro", como os EUA, que escolheram o Irã como alvo para uma surra exemplar.


Sputnik

As trocas regulares de gestos hostis entre Israel e o Irã foram mais beligerantes do que o habitual nas últimas semanas. Uma figura sênior em Teerã ameaçou destruir Tel Aviv e certificar-se de que o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, não sobreviveria ao bombardeio.


Exército de Israel
Militares israelenses © flickr.com/ Israel Defense Forces

Já um ex-general israelense refletiu o quão bom seria para Israel matar Hassan Nasrallah, líder do movimento militante libanês Hezbollah, apoiado pelo Irã. O senador dos EUA, Lindsey Graham, alertou que Israel estava se preparando para uma nova guerra no Líbano.

A retórica tem ligação, sem dúvida, ao episódio mais grave de guerra para Israel e Irã na Síria, um país devastado pela guerra, onde os dois pesos pesados estão testando a resolução do outro. Israel derrubou o que chamou de drone iraniano que violava seu espaço aéreo e lançou um contra-ataque, perdendo um dos seus aviões de combate ao fogo antiaéreo.

As tensões podem levar a outra guerra na Síria?

A tensão é real e perigosa, mas não deve ser interpretada como uma preparação para uma guerra total, disseram analistas. Um esforço tão oneroso não seria do interesse de ambos os lados. "[O Irã e Israel] sondam um ao outro atualmente, mas não procuram a guerra no momento, especialmente na Síria", disse à RT Marianna Belenkaya, analista do Oriente Médio e colunista do jornal russo Kommersant.

Mesmo o incidente do drone — o que, ela acredita, pode ter sido tão acidental quanto uma provocação pelo Irã para testar Israel — foi resolvido para a satisfação de cada envolvido. "Israel está feliz de ter derrubado o drone. O Irã e a Síria estão felizes por ter derrubado um avião de guerra israelense. Cada lado é deixado em pé onde ele estava para começar, e nem procurou escalá-lo", explicou.

Israel, até agora, declarou algumas "linhas vermelhas" para que o Irã não cruze na Síria, disse Irina Fedorova, membro sênior do Instituto de Estudos Orientais da Academia Russa de Ciências. Isso não inclui bases militares permanentes ou depósitos de armas sob o controle do Irã, e nenhuma força de procuração iraniana fica a menos de 50 km da fronteira de Israel. Os ataques aéreos que Tel Aviv conduz na Síria destinam-se a reforçar essas linhas.

"Os ataques aéreos isolados continuarão, mas eu não acredito que eles escalariam em confrontos diretos na Síria, e ainda menos para uma guerra em larga escala", disse.

Sergei Balmasov, analista sênior do Centro para Crises da Sociedade, um grupo de pesquisa com sede em Moscou, é menos otimista. Ele diz que o conflito pode se espiralar em hostilidades em maior escala. "Basta dar uma olhada na situação em 2005-2006, quando uma escalada realmente séria resultou na segunda guerra do Líbano. Até agora, a temperatura não atingiu um ponto que vimos então. Mas está perto", declarou.

Um fator que luta contra uma escalada na Síria é que o Irã tem uma escolha de opções relativamente limitada se quiser prejudicar Israel em resposta ao envolvimento da Síria. Isso poderia agitar problemas na Palestina ou no Líbano, mas nem é provável que seja eficiente. O próprio Irã está muito longe da Síria para projetar o poder militar, enquanto Israel é seu vizinho.

'A Rússia atua como amortecedor entre Israel e o Irã'

Outro fator é a presença da Rússia, acreditam os especialistas. Moscou tem boas relações com ambos os lados neste conflito e está interessado em mantê-los contra os conflitos na Síria, uma vez que tal escalada prejudicaria as próprias políticas da Rússia nesse país.

"A Rússia atua como uma espécie de amortecedor [entre Israel e Irã] e também, em certa medida, os EUA, que mantêm uma força no sul da Síria e, portanto, proporcionam alguma segurança adicional para Israel", disse Belenkaya.

Para a Rússia, Balmasov concordou, abrir hostilidades entre o Irã e Israel na Síria "seria uma dor de cabeça não solicitada. Israel diria que quer se opor ao Irã e tentaria minar [o presidente sírio Bashar] Assad ao longo do caminho. Israel não está interessado em uma Síria forte e unida e preferiria vê-lo balcanizado em territórios administrados por gangues armadas que não podem representar uma ameaça para Israel".

O Irã, por sua vez, tem muito no seu lado na Síria, e enfrentar Israel diretamente esticará seus recursos. Em qualquer caso, Teerã quer ter uma opinião no futuro da Síria pós-guerra, e não para usar seu território como plataforma de lançamento para atacar Israel.

Um nome que potencialmente pode interromper a situação já frágil é o presidente dos EUA, Donald Trump, que pode decidir que uma campanha militar contra o Irã na Síria pode beneficiar seus próprios interesses, apontou Balmasov. Trump fala como pró-israelense como se pode esperar, mas até agora se absteve de adicionar qualquer ação áspera à retórica, porém pode mudar um dia, especialmente se lhe for dado um bom pretexto.

"Presidentes americanos recentes começaram uma campanha militar séria pelo menos uma vez em um mandato. Mesmo o vencedor do Prêmio Nobel da Paz, Barack Obama, teve uma mão no ataque à Líbia. Então, qual país poderia Trump escolher? Atacar a Coreia do Norte é arriscado […] então ele pode optar por atropelar o Irã em vez disso", sugeriu.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas