Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

Israel promete impedir presença militar do Irã na Síria

Israel não está interessado em agravar a situação na Síria, mas vai responder se o Irã continuar a provocar a situação na fronteira com a Síria, disse na segunda-feira (5) o vice-diretor-geral do Ministério das Relações Exteriores de Israel, general Alexander Ben-Zvi.


Sputnik

"Espero que isso não aconteça…Claro que se elas [as Forças Armadas iranianas] atacarem o território israelense — e nós consideramos o incidente com o drone um ataque direto contra o território de Israel – nesse caso não vamos ter outra opção. Não vamos deixá-lo impune. E todos os que querem dar alguns passos devem perceber que haverá medidas de retaliação", disse Ben-Zvi aos repórteres.


Soldados israelenses junto de unidades de artilharia móvel perto da fronteira com a Síria
Tropas israelenses na fronteira com a Síria © AP Photo/ Ariel Schalit

De acordo com ele, a presença militar iraniana na Síria alegadamente agrava o conflito, enquanto Israel faz todo o possível para impedir que esta presença se torne permanente.

Ao mesmo tempo, o diplomata sublinhou que "garantir a segurança do Estado" é uma prioridade de Israel nos assuntos que se referem à solução do conflito tanto na Síria, como na Palestina.

Ben-Zvi declarou que, se não houver agressão contra Israel, o país não terá interesse em combater.

Além disso, o general frisou que Israel está em contato estreito com a Rússia quanto à retirada das tropas xiitas da zona de desescalada do sul na Síria. Para ele, é necessário retirar estas tropas para estabilizar a situação na região.

Enquanto os líderes de Israel e dos EUA têm acusado o Irã de manter uma presença militar na Síria e de possuir, inclusive, uma base militar no país, Teerã tem refutado as declarações, chamando-as de infundadas, mas admite ter enviado conselheiros militares para treinar as tropas leais a Damasco.

Fevereiro foi marcado pela maior escalada do conflito entre Israel e o Irã na Síria. Por exemplo, o exército israelense afirmou que um helicóptero seu interceptara um drone iraniano lançado a partir do lado sírio. Em seguida, a Força Aérea de Israel bombardeou alvos iranianos na Síria. Os sistemas de defesa aérea síria reagiram, o que resultou no derrube de um caça F-16 israelense. Na segunda onda de ataque, as forças de Israel atingiram 12 alvos na Síria, incluindo baterias de defesa aérea síria e instalações militares iranianas, declararam as Forças de Defesa do país.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas