Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China desenvolve 2 novos bombardeiros furtivos ao mesmo tempo, diz inteligência americana

A Força Aérea da China, que já tem dois caças furtivos, está trabalhando em dois novos projetos de aviões furtivos de médio e longo alcance, informou um relatório da inteligência militar dos EUA.
Sputnik

Os fabricantes de aviões chineses estão envolvidos em dois projetos de bombardeiros furtivos ao mesmo tempo, informou a edição Aviation Week, citando um relatório da Agência de Inteligência do Departamento de Defesa dos EUA.


A existência de um desses projetos, H-20 ou H-X, foi confirmada pela Força Aérea Chinesa em 2017. Entretanto, não foi divulgada nenhuma informação confiável sobre o segundo projeto.

De acordo com o Pentágono, o segundo projeto, designado JH-XX, envolve o desenvolvimento de um caça-bombardeiro de médio alcance. O avião será equipado com radar AESA, mísseis ar-ar e mísseis ar-terra. Os especialistas em inteligência militar estadunidense acreditam que essa aeronave entrará em serviço da Força Aérea chinesa não antes de 2025.

No desenvolvimento desses novos aviões de comba…

Israel promete impedir presença militar do Irã na Síria

Israel não está interessado em agravar a situação na Síria, mas vai responder se o Irã continuar a provocar a situação na fronteira com a Síria, disse na segunda-feira (5) o vice-diretor-geral do Ministério das Relações Exteriores de Israel, general Alexander Ben-Zvi.


Sputnik

"Espero que isso não aconteça…Claro que se elas [as Forças Armadas iranianas] atacarem o território israelense — e nós consideramos o incidente com o drone um ataque direto contra o território de Israel – nesse caso não vamos ter outra opção. Não vamos deixá-lo impune. E todos os que querem dar alguns passos devem perceber que haverá medidas de retaliação", disse Ben-Zvi aos repórteres.


Soldados israelenses junto de unidades de artilharia móvel perto da fronteira com a Síria
Tropas israelenses na fronteira com a Síria © AP Photo/ Ariel Schalit

De acordo com ele, a presença militar iraniana na Síria alegadamente agrava o conflito, enquanto Israel faz todo o possível para impedir que esta presença se torne permanente.

Ao mesmo tempo, o diplomata sublinhou que "garantir a segurança do Estado" é uma prioridade de Israel nos assuntos que se referem à solução do conflito tanto na Síria, como na Palestina.

Ben-Zvi declarou que, se não houver agressão contra Israel, o país não terá interesse em combater.

Além disso, o general frisou que Israel está em contato estreito com a Rússia quanto à retirada das tropas xiitas da zona de desescalada do sul na Síria. Para ele, é necessário retirar estas tropas para estabilizar a situação na região.

Enquanto os líderes de Israel e dos EUA têm acusado o Irã de manter uma presença militar na Síria e de possuir, inclusive, uma base militar no país, Teerã tem refutado as declarações, chamando-as de infundadas, mas admite ter enviado conselheiros militares para treinar as tropas leais a Damasco.

Fevereiro foi marcado pela maior escalada do conflito entre Israel e o Irã na Síria. Por exemplo, o exército israelense afirmou que um helicóptero seu interceptara um drone iraniano lançado a partir do lado sírio. Em seguida, a Força Aérea de Israel bombardeou alvos iranianos na Síria. Os sistemas de defesa aérea síria reagiram, o que resultou no derrube de um caça F-16 israelense. Na segunda onda de ataque, as forças de Israel atingiram 12 alvos na Síria, incluindo baterias de defesa aérea síria e instalações militares iranianas, declararam as Forças de Defesa do país.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas