Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

Lavrov: defesa antimíssil dos EUA no Japão afeta diretamente segurança da Rússia

Planos dos EUA que preveem posicionar o sistema de defesa antimíssil global diretamente influenciam a segurança da Rússia, afirma o chefe da Chancelaria russa Sergei Lavrov.


Sputnik

Recentemente o ministro das Relações Exteriores da Rússia realizou negociações com seu homólogo japonês, Taro Kono.


Sistema de defesa antimíssil estadunidense Aegis Ashore
Sistema de defesa antimísseis norte-americano Aegis Ashore | CC BY 2.0 / Agência de Defesa Antimíssil dos EUA / FTO-02-E1a-002

"Concordamos em continuar o mesmo diálogo de modo construtivo e ouvir um ao outro com atenção", afirmou ministro russo.

Entretanto, Lavrov destacou que a Rússia respeita o direito do Japão de proteger seu território, mas ao mesmo tempo, solicita para que siga o princípio da "indivisibilidade da segurança" que garante a realização dos interesses nacionais e não prejudica a segurança de outros países.

Seu homólogo do Japão, afirmou que o sistema de defesa antimíssil, posicionado no território japonês, tem um "caráter excepcionalmente defensivo, direcionado para proteger vidas e propriedades do povo" do país.

"Não representa ameaça nenhuma à Rússia", assegurou Taro Kono.

Em dezembro do ano passado, o governo japonês decidiu posicionar os complexos terrestres de defesa antimíssil americana Aegis Ashore em seu território.

A decisão do Japão de adquirir as instalações de defesa de mísseis dos EUA Aegis Ashore é motivada pelas ações provocativas da Coreia do Norte. O aprimoramento do setor de defesa tem sido a nova tendência no Japão nos últimos anos devido ao aumento das tensões na península coreana que aumentaram após os testes recentes de mísseis da Coreia do Norte.

Planeja-se sua instalação no noroeste e sudoeste do Estado. Tóquio afirma que o sistema poderá proteger todo o território do país, devendo entrar em serviço até 2023.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas