Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Lavrov: defesa antimíssil dos EUA no Japão afeta diretamente segurança da Rússia

Planos dos EUA que preveem posicionar o sistema de defesa antimíssil global diretamente influenciam a segurança da Rússia, afirma o chefe da Chancelaria russa Sergei Lavrov.


Sputnik

Recentemente o ministro das Relações Exteriores da Rússia realizou negociações com seu homólogo japonês, Taro Kono.


Sistema de defesa antimíssil estadunidense Aegis Ashore
Sistema de defesa antimísseis norte-americano Aegis Ashore | CC BY 2.0 / Agência de Defesa Antimíssil dos EUA / FTO-02-E1a-002

"Concordamos em continuar o mesmo diálogo de modo construtivo e ouvir um ao outro com atenção", afirmou ministro russo.

Entretanto, Lavrov destacou que a Rússia respeita o direito do Japão de proteger seu território, mas ao mesmo tempo, solicita para que siga o princípio da "indivisibilidade da segurança" que garante a realização dos interesses nacionais e não prejudica a segurança de outros países.

Seu homólogo do Japão, afirmou que o sistema de defesa antimíssil, posicionado no território japonês, tem um "caráter excepcionalmente defensivo, direcionado para proteger vidas e propriedades do povo" do país.

"Não representa ameaça nenhuma à Rússia", assegurou Taro Kono.

Em dezembro do ano passado, o governo japonês decidiu posicionar os complexos terrestres de defesa antimíssil americana Aegis Ashore em seu território.

A decisão do Japão de adquirir as instalações de defesa de mísseis dos EUA Aegis Ashore é motivada pelas ações provocativas da Coreia do Norte. O aprimoramento do setor de defesa tem sido a nova tendência no Japão nos últimos anos devido ao aumento das tensões na península coreana que aumentaram após os testes recentes de mísseis da Coreia do Norte.

Planeja-se sua instalação no noroeste e sudoeste do Estado. Tóquio afirma que o sistema poderá proteger todo o território do país, devendo entrar em serviço até 2023.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas