Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Poloneses pedem a Trump ajuda para conseguir indenização da Rússia e Alemanha pela 2ª Guerra

Um auto-proclamado "partido bíblico antiglobalista" pró-EUA e pró-Israel da Polônia, que se autodenomina "Movimento 11 de novembro", criou uma petição no site We the People da Casa Branca pedindo ao presidente Donald Trump ajude a obter "compensação adequada" da Rússia e da Alemanha por danos causados ​​na Segunda Guerra Mundial.
Sputnik

"Os poloneses livres estão apelando para os EUA, o vencedor na Segunda Guerra Mundial e o fiador dos acordos do pós-guerra, para obter ajuda na recuperação das reparações de guerra da Alemanha e da Rússia", diz a petição.


Além de alcançar a "justiça histórica", uma campanha de reparações bem-sucedida desempenharia "um papel fundamental na Polônia, tornando-se um forte aliado dos Estados Unidos diante da ameaça que surge na Europa e na Ásia — um novo Império do Mal".

Falando ao The New American, uma pequena revista de propriedade da John Birch Society, o co-autor e vice-presidente do Movimento 11…

Lavrov: EUA interferem em outros países por ambições 'neo-imperialistas'

A crítica feita pelo secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, na Etiópia sobre a política da China na África é inapropriada, disse o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov. Do Zimbábue, Lavrov criticou os EUA por interferirem nos assuntos de outros países, buscando ambições neo-imperialistas.


Sputnik

"Eu não sabia que Rex Tillerson é especialista em relações chinês-americanas", disse Lavrov depois de se encontrar com o presidente Emmerson Mnangagwa em Harare. Ele acrescentou que "não é exatamente apropriado" para Tillerson falar sobre as relações da África com outros países, enquanto convidado dos africanos — especialmente de uma maneira tão "negativa".


Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, durante reunião com o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, nas margens da cúpula da ASEAN em Manila
Sergei Lavrov © Sputnik/ Vitaliy Belousov

Lavrov fez sua declaração quase ao mesmo tempo em que seu colega americano estava a cerca de 3.000 km mais ao norte — onde ele alertou os africanos sobre a influência da China. Tillerson pediu aos países africanos que avaliem cuidadosamente os benefícios dos empréstimos chineses em uma coletiva de imprensa na capital etíope, Addis Abeba, durante sua primeira viagem diplomática ao continente.

"Não estamos de forma alguma tentando manter dólares chineses fora da África", afirmou.

Ao interferir nos assuntos internos de outras nações, os EUA parecem estar perseguindo ambições "neo-imperialistas", disse Lavrov. "Nós não compartilhamos essa abordagem. Considero isso ‘neo-imperialista’. E nunca seguiremos essas políticas", acrescentou.

Lavrov acrescentou que a Rússia "nunca interferiu nos assuntos de outros países, apesar de Washington e outros países ocidentais reivindicarem o contrário diariamente". Ele ainda ressaltou que "nenhum fato disso foi apresentado" por quem acusa Moscou.

Entretanto, o ministro russo negou as afirmações do Departamento de Estado dos EUA sobre a ausência de discussões EUA-Rússia sobre um possível encontro entre ele e o secretário de Estado norte-americano.

"Eu não queria fazer um comentário sobre este assunto, mas hoje o Departamento de Estado dos EUA afirmou que não houve discussões sobre a nossa possível reunião com [Tillerson]. Posso dizer que isso é falso", concluiu.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas