Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil abre processo administrativo para apurar vídeo de militares dançando 'Jenifer' em navio

Em nota, a Marinha informou que e 'foi constatado comportamento completamente incompatível com as tradições' e que irá apurar o ocorrido.
Por G1 Rio

A Marinha do Brasil instaurou um processo administrativo para apurar um vídeo em que um grupo de militares aparece dançando a música "Jenifer" em um navio oficial.


A embarcação, segundo a Marinha, é o Aviso de Instrução Guarda-Marinha Brito, que fica sediado no Rio de Janeiro. A gravação foi feita durante o estágio de mar de militares.

Em nota, a Marinha informou que "foi constatado comportamento completamente incompatível com as tradições da Marinha" e que, para ampliar a apuração do ocorrido, foi instaurado um procedimento administrativo "cuja conclusão, certamente, conterá as propostas pertinentes às necessárias correções no inaceitável comportamento".

Assista o vídeo

Ministério da Defesa russo: EUA impedem Damasco de recuperar territórios no leste da Síria

Os destacamentos do exército norte-americano que estão no leste da província síria de Deir ez-Zor impedem que as autoridades sírias recuperam estas terras, declarou o Ministério da Defesa da Rússia.


Sputnik

"Uma direção importante do trabalho das autoridades sírias é devolver às pessoas as áreas orientais da província de Deir ez-Zor que são controladas por grupos pró-americanos das assim chamadas Forças Democráticas da Síria (FDS). Os destacamentos do exército dos EUA que estão na área reagem à recuperação por parte das instituições governamentais sírias", diz o comunicado do ministério russo.


Militante das FDS perto de deir ez-Zor, foto de arquivo
Militante das FDS com veículo norte-americano em Deir ez-Zor © REUTERS/ Rodi Said

Como destacou a entidade militar russa, os sírios não podem voltar à margem oriental do rio Eufrates devido a ausência de passagens, destruídas pela coalizão liderada pelos EUA.

Para além disso, o Ministério da Defesa russo acusou os EUA de terem impedido a entrada de organizações humanitárias e missões da ONU em Raqqa para avaliar escala da catástrofe humanitária.

"Debaixo dos destroços estão milhares de corpos de civis e militantes mortos nos bombardeiros da coalizão dos EUA. Os corpos não foram retirados e estão em estado de decomposição. Na cidade foram registrados surtos de doenças infeciosas que, com chegada do calor, podem resultar em epidemias", sublinharam no Ministério da Defesa.

Mais cedo o representante oficial do Ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov, havia declarado que as áreas da Síria controlados pela coalizão dos EUA e destacamentos de grupos armados chefiados por esta, estão em difícil situação humanitária enquanto os próprios bairros viraram "buracos negros", cujo estado "não é de maneira nenhuma transparente nem para o governo sírio, nem para os observadores estrangeiros".


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas