Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

Não-proliferação de mísseis hipersônicos: dificultando a propagação de uma nova classe de armas

O “think tank” RAND publicou um relatório sobre Mísseis hipersônicos – especificamente veículos de deslocamento hipersônico e mísseis de cruzeiro hipersônicos – que são uma nova classe de ameaça porque são capazes tanto de manobrar quanto de voar mais rápido que 5.000 quilômetros por hora. Esses recursos permitem que esses mísseis penetrem na maioria das defesas de mísseis e comprimam ainda mais as linhas de tempo para uma resposta de uma nação sob ataque.


Poder Aéreo

Mísseis hipersônicos estão sendo desenvolvidos pelos Estados Unidos, Rússia e China. Sua proliferação além desses três poderia resultar em outros poderes estabelecendo suas forças estratégicas nos estados de prontidão. E tal proliferação poderia permitir que outros poderes ameaçassem com mais credibilidade as grandes potências.


A difusão da tecnologia hipersônica está em andamento na Europa, Japão, Austrália e Índia – com outras nações começando a explorar essa tecnologia. A proliferação poderia cruzar fronteiras múltiplas se a tecnologia hipersônica fosse oferecida nos mercados mundiais.

Há provavelmente menos de uma década disponível para impedir substancialmente a potencial proliferação de mísseis hipersônicos e tecnologias associadas. Para este fim, o relatório recomenda que (1) os Estados Unidos, Rússia e China concordem em não exportar sistemas completos de mísseis hipersônicos ou seus principais componentes e (2) a comunidade internacional deve estabelecer controles sobre uma gama mais ampla de mísseis hipersônicos. hardware e tecnologia.

Para ler o relatório do RAND, clique aqui.

FONTE: Rand Corporation

Postar um comentário

Postagens mais visitadas