Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Lançamento do Submarino Riachuelo – S40 (VIDEO)

Hoje, 14 de dezembro, às 10h da manhã em Itaguaí-RJ, teve início a Cerimônia de Lançamento do Submarino Riachuelo, o primeiro de uma série de quatro submarinos convencionais e um nuclear que estão sendo construídos pela Marinha do Brasil. A cerimônia conta com a presença do Presidente da República.
Poder Naval

O nome do primeiro submarino, “Riachuelo”, é alusivo à Batalha Naval do Riachuelo, considerada decisiva na Guerra do Paraguai, com atuação destacada da Marinha do Brasil.


Acompanhe a Cerimônia em tempo real no vídeo no final deste post.
Prosub

O Brasil tem o mar como uma forte referência em todo o seu desenvolvimento. É nessa área marítima que os brasileiros desenvolvem as atividades pesqueiras, o comércio exterior e a exploração de recursos biológicos e minerais. A imensa riqueza das águas, do leito e do subsolo marinho nesse território justifica seu nome: Amazônia Azul.

A Amazônia Azul cobre uma área de 3,5 milhões de quilômetros quadrados. Mas o país pleiteia na Organização das Naç…

No fundo do mar: qual é o novo foco de tensões no Oriente Médio?

A descoberta de grandes campos de gás no Mediterrâneo leva ao agravamento de antigos conflitos na região, acreditam especialistas. Turquia, Chipre, Israel, Líbano e Egito estão lutando pela exploração do recurso, ameaçando os interesses dos maiores gigantes de petróleo e de gás.


Sputnik

O governo do Chipre anunciou que a empresa italiana Eni continuará explorando os campos de gás da ilha, apesar da postura da Turquia. Em fevereiro, os navios de guerra de Ancara impediram que um navio da empresa transalpina chegasse ao local. A Turquia afirmou que os trabalhos da empresa violam os direitos dos cipriotas turcos.


Plataforma de perfuração de gás de Tamar israelense no mar Mediterrâneo
Plataforma de petróleo israelense no Mar Mediterrâneo © AFP 2018/ AHIKAM SERI

Além disso, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, advertiu que Ancara até pode recorrer ao uso de força militar, tal "como na região síria de Afrin", por acreditar que os "nossos direitos no mar Egeu e no Chipre são iguais".

Uma semana antes do incidente, a Eni encontrou um campo de gás natural na plataforma do Chipre que, de acordo com estimativas preliminares, contém entre 170 e 230 bilhões de metros cúbicos. A empresa italiana planeja explorar o local junto com a entidade francesa Total, enquanto as empresas norte-americanas ExxonMobil e Nobel Energy já estão operando na área. Contudo, a Turquia considera inaceitável a exploração dos recursos naturais do Chipre de forma unilateral.

O primeiro grande campo de gás cipriota, Afrodita, foi encontrado em 2011. Além disso, durante as duas últimas décadas foram reveladas outras duas grandes jazidas de gás: Leviatã israelense e Zohr egípcia.

Explorações e ameaças

A própria Turquia se mostrou interessada em procurar hidrocarbonetos já que "explorar recursos na região oriental do Mediterrâneo é nosso direito soberano", afirmou no início de fevereiro o ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, anunciando que Ancara não reconhecerá o acordo de divisão da plataforma marítima entre o Chipre e o Egito.

Por sua vez, a Síria planeja se juntar à exploração de gás. No fim de 2017, o ministro do Petróleo e dos Recursos Naturais do país, Ali Ghanem, afirmou que Damasco começará a extração de gás já no início de 2019.

No mês passado, o Líbano também entrou na corrida: o grupo empresarial formado pelas empresas Novatek russa, Total francesa e Eni italiana obtiveram direito para exploração de gás natural na plataforma continental libanesa, que pode conter até 700 bilhões de metros cúbicos do recurso.

Este passo provocou reação forte de Israel, que disputa a área onde as explorações serão realizadas. O ministro da Defesa israelense, Avigdor Lieberman, qualificou a iniciativa como "muito provocadora", contudo, as autoridades libanesas e representantes do movimento Hezbollah deram resposta ao ministro israelense. O líder do movimento, Hasan Nasrallah, advertiu que caso seja preciso, "em questão de horas" ele impedirá o funcionamento da plataforma de exploração marítima israelense.

Potencial conflito

Quanto à influência dos recursos naturais sobre a política dos países localizados na parte oriental do Mediterrâneo, o professor da Escola Superior de Economia russa, Grigory Lukyanov, comentou ao RT que esse é o "fator mais poderoso de um conflito potencial na região", uma vez que o problema supera as fronteiras dos países que lutam pela mesma plataforma marítima.

"Aqueles países que não eram gigantes do petróleo ou do gás, agora são ameaça para as relações socioeconômicas e políticas da região", assinalou Lukyanov, destacando o caso de Israel, que anteriormente era um importador de recursos, mas agora pode se tornar uma potência energética que competiria com os países árabes e desencadearia assim "uma nova versão do conflito árabe-israelense".

O analista enfatizou que o Irã mantém uma forte presença no Líbano através do Hezbollah, e as profundas discrepâncias entre Teerã e Tel Aviv inevitavelmente afetarão a disputa pelos recursos valiosos.

Enquanto isso, "o surgimento de um compromisso entre a Turquia e o Irã na Síria proporciona motivos para acreditar que esses países sejam capazes de chegar a um acordo", criando, assim, problemas para Israel. Porém, a experiência de cooperação entre Ancara, Moscou e Teerã quanto à Síria, poderia evitar conflitos na hora de dividir a plataforma síria na fronteira com a zona econômica da Turquia, assinalou especialista.

No entanto, apesar das profundas divergências, é pouco provável que uma guerra por gás se inicie na região em breve já que todos os países, exceto Israel, já estão enfraquecidos por conflitos existentes.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas