Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

Opinião: capacidade de defesa da Ucrânia baseia-se em 'sacrifícios'

Em 2014, as forças navais ucranianas, que não tinham meios suficientes ou pessoal competente, não podiam contrapor nada à Frota do Mar Negro da Rússia. Portanto, seus raciocínios sobre o "sacrifício" da sua marinha são uma pura absurdez, opina o ex-comandante da Frota do Mar Negro russa, almirante Vladimir Komoedov.


Sputnik

Previamente, a vice-comandante da Marinha da Ucrânia, capitão-de-mar-e-guerra Marina Kanalyuk afirmou que durante a reunificação da Crimeia com a Rússia, em 2014, a Marinha ucraniana "sacrificou-se" para que Kiev tivesse mais tempo para conseguir colocar seu exército em prevenção.


Navios da Frota do Mar Negro da Marinha russa, foto de arquivo
Navios russos da Frota do Mar Negro © Sputnik/ Sergei Malgavko

Neste contexto, o almirante russo supõe que "sacrificar-se" será aparentemente o principal meio para usar as capacidades da Marinha da Ucrânia. Para efetuar ações de combates reais, eles não tinham, não têm e não terão pessoal naval competente, nem forças ou meios suficientes. "Mesmo que quisessem, eles não conseguiriam fazer nada, em termos militares, contra a Frota do Mar Negro em 2014", destacou.

Além disso, ele acrescentou que a maior parte do contingente da Marinha ucraniana ficou do lado da Rússia.

Entretanto, os quadros navais que decidiram permanecer na Ucrânia estavam longe de serem os melhores em termos profissionais, indicou.

Assim, as declarações sobre o sacrifício que fez a Marinha da Ucrânia em 2014 e sobre o poderio atual do seu exército devem ser caraterizadas como "pura absurdez", finalizou.

Depois da reintegração da Crimeia na Rússia em 2014, Moscou devolveu parcialmente os navios ucranianos a Kiev. Quando, em janeiro de 2018, o presidente russo Vladimir Putin propôs à Ucrânia devolver o resto do seu material militar posicionado na península, o líder ucraniano Pyotr Poroshenko declarou que receberá seus navios da Crimeia só juntamente com a península.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas