Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China: 'Relatório do Pentágono distorce nossas intenções estratégicas'

A China rejeita firmemente as conclusões do relatório do Departamento de Defesa dos EUA sobre a situação militar e de segurança no país asiático, disse em comunicado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Lu Kang.
Sputnik

"Em 17 de agosto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou o relatório sobre a situação militar e de segurança na China, interpretando mal as intenções estratégicas da China e apresentando a chamada ‘ameaça militar chinesa' […] Os militares chineses expressam sua firme oposição a esse respeito", diz a declaração.

"As alegações do relatório dos EUA são pura especulação", disse Kang, explicando que o programa de modernização do Exército chinês se destina a defender "os interesses da soberania, segurança e desenvolvimento do país" e para "providenciar a paz, estabilidade e prosperidade globais".

O porta-voz do ministério chinês também reiterou a posição firme de seu país em relação a Taiwan, que ele definiu como u…

Príncipe saudita crê que presença militar dos EUA na Síria é necessária

O príncipe herdeiro e ministro da Defesa da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman, declarou que a presença militar norte-americana na Síria é necessária, informa a revista Time.


Sputnik

"Consideramos que as tropas norte-americanas devem ficar em uma perspectiva de médio prazo no mínimo, ou mesmo de longo prazo", disse Mohammad bin Salman. Segundo ele, a retirada das forças militares dos EUA do país significaria a perda de um ponto de controle muito importante na Síria.


Um combatente norte-americano, que está lutando ao lado das Forças Democráticas da Síria, segura bandeira do seu país
Militar norte-americano junto a terroristas na Síria © REUTERS/ Rodi Said

"Este corredor poderia fazer muito pela região", declarou o príncipe em entrevista.

Conforme nota a edição, atualmente na Síria servem cerca de 2 mil militares norte-americanos.

Antes, o presidente dos EUA, Donald Trump, discursando em Ohio, ressaltou mais uma vez que os EUA vão sair da Síria "muito em breve" e "os outros que cuidem disso" (da Síria). Tais declarações foram feitas ainda no decorrer da campanha eleitoral dele, contudo os militares dos EUA continuam na Síria sem autorização de Damasco oficial.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas