Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

Príncipe saudita: Ocidente encorajou Riad a investir no wahhabismo a fim de conter URSS

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman Al Saud, afirmou que os países ocidentais pediram ao seu país para investir na propagação do wahhabismo durante a Guerra Fria a fim de impedir que a União Soviética ganhasse influência no Oriente Médio. Segundo ele, no entanto, o reino acabou perdendo o controle desse movimento.


Sputnik

Corrente fundamentalista do islamismo sunita, o wahhabismo é frequentemente acusado de ser a principal fonte do terrorismo global. Em entrevista ao Washington Post, o príncipe Salman explicou que embora o governo saudita tenha tido o papel mais importante na disseminação dessa doutrina, a pedido dos seus aliados anticomunistas, ela, hoje, é financiada principalmente por "fundações". Ele acredita que o Estado precisa retomar o controle.


Mohammad bin Salman Al Saud, príncipe herdeiro da Arábia Saudita
Mohammad bin Salman Al Saud © Sputnik/ Sergey Guneev

"Temos que recuperar tudo", disse o príncipe, citado pelo jornal.

Sobre as reformas que vem promovendo em seu país, como a redução das restrições impostas às mulheres, Mohammad bin Salman disse ter trabalhado duro para convencer líderes religiosos conservadores de que certas imposições não fazem parte do islamismo.

"Eu acredito que o islã é sensato, o islã é simples, e as pessoas estão tentando sequestrá-lo", declarou, acrescentando que o governo tem mantido conversas positivas com os clérigos, conquistando mais aliados no establishment religioso.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas