Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia não considera Patriot como alternativa ao S-400, diz parlamentar turco

Washington está negociando com Ancara quanto à possibilidade de fornecimento dos sistemas de defesa antiaérea norte-americanos Patriot no lugar dos S-400 russos, escreveu a revista turca Sabah, citando a assessora do Secretário de Estado dos EUA em questões políticas, Tina Kaidanow.
Sputnik

Kaidanow relevou que o Departamento do Estado está negociando com a Turquia para "tentar dar a entender aos turcos o que se pode fazer em relação aos Patriot".

"Estamos preocupados que a compra dos sistemas russos de defesa antiaérea seja uma espécie de apoio para a Rússia que, pelo que vimos, não se comporta bem em várias partes do mundo, inclusive na Europa", afirmou a assessora, citada pela edição turca.

Um representante do Ministério das Relações Exteriores turco, que pediu anonimato, comentou à Sputnik Turquia sobre a situação quanto às compras dos S-400 por Ancara, bem como quanto ao diálogo com os EUA.
"A nossa postura em relação aos S-400 foi reiterada por diversas vezes…

Programa do avião-tanque KC-46 da USAF tem mais problemas

Problemas adicionais de alto perfil surgiram com o novo avião-tanque da USAF, o KC-46 Pegasus. Eles contribuem para outras questões que afetam o programa, que está sendo desenvolvido pela Boeing. 

A Boeing já registrou bilhões em custos antes dos impostos devido a atrasos e problemas técnicos.


Poder Aéreo

O programa de aviões reabastecedores KC-46 da Boeing, há muito tempo cercado por problemas técnicos, enfrenta agora mais deficiências de “categoria um”, aumentando os problemas que o fabricante deve consertar e que vão comprometer ainda mais o prazo de entrega do avião.

KC-46 e F-16

Na quinta-feira, a USAF disse que dois outros problemas surgiram, um envolvendo o sistema de visão remota, que é usado pelo operador do “boom” para guiá-lo até o receptáculo de combustível da aeronave que está sendo reabastecida.

O sistema de visão remota não está atendendo aos requisitos da Força Aérea, de acordo com o Defense News. Os problemas com o RVS impedem que “a capacidade do operador de boom de reabastecimento para guiá-lo até o receptáculo da aeronave receptora”, disse a editora do Aviation Week Pentagon, Lara Seligman, no Twitter na quinta-feira.

Questões com o RVS também contribuíram para a probabilidade do boom do KC-46 ser arrastado contra a superfície externa da aeronave receptora – um problema de categoria um anteriormente divulgado que pode danificar aeronaves furtivas. A Boeing está trabalhando em uma atualização de software que espera corrigir o problema do RVS, acrescentou Seligman.

A outra questão envolve o sistema drogue de linha central, o outro sistema de reabastecimento do KC-46, que em testes desconectava inesperadamente da aeronave que recebia combustível. A Força Aérea e a Boeing “estão realizando a análise de engenharia de sistemas necessária para determinar a causa raiz e o caminho a seguir”, disse Seligman. O problema não apresenta nenhum risco de segurança “imediato”, de acordo com o Defense News.

A USAF não tem um cronograma definido para quando esses novos problemas serão resolvidos, disse a porta-voz da Força Aérea, Ann Stefanek, ao Defense News.

Além do problema relatado anteriormente com o boom e a aeronave receptora, o programa KC-46 também foi perseguido por problemas com seu rádio de alta frequência, que usa a fuselagem do avião-tanque para transmitir e pode causar faíscas e incêndios, e com a próprio boom estendendo-se sozinho ao desconectar-se de uma aeronave em reabastecimento.

Essas duas questões foram recentemente rebaixadas para deficiências da categoria dois, no entanto.

A Boeing perdeu um prazo auto-imposto para entregar o primeiro KC-46 à USAF até o final de 2017, e a Força Aérea disse no início deste mês que espera que o fabricante perca a janela de entrega esperada na primavera de 2018, apresentando o primeiro avião no final deste ano.

A Boeing é obrigada a entregar 18 dos novos KC-46 à USAF até outubro, mas o serviço agora espera que os aviões cheguem na primavera de 2019. No entanto, Stefanek disse ao Defense News que as recentes deficiências não levaram a Força Aérea a mudar sua projeção de entregas.

“O cronograma para a primeira entrega foi modificado com base nos riscos conhecidos e nos impactos previstos associados às certificações de aeronavegabilidade e à execução de testes de voo mais lentos que o esperado”, disse Stefanek ao Defense News. “Embora essas deficiências não tenham sido explicitamente explicadas, o potencial de descobertas técnicas adicionais foi contabilizado na avaliação de risco do cronograma.”

A falta do prazo de outubro provavelmente sujeitará a Boeing a penalidades financeiras adicionais.

Devido à maneira como o contrato KC-46 é estruturado, a Força Aérea não é responsável por custos além do compromisso de US$ 4,82 bilhões. A Boeing já foi atingida com quase US$ 3 bilhões em custos adicionais antes dos impostos.

A USAF atualmente planeja comprar 179 aviões KC-46. Assim que eles começarem a chegar, o serviço começará a retirar seus aviões KC-10 mais antigos. Ela manterá até 300 de seu KC-135 – que têm em média 55 anos de idade.

Perguntado sobre o status do programa de aviões-tanque durante uma audiência na Câmara na quarta-feira, o chefe de aquisição da Força Aérea, Will Roper, disse que a velocidade com que a Boeing corrige problemas será “métrica chave” na avaliação do programa no futuro.

“O fato de que há questões sobre o programa é menos preocupante para mim. O que me preocupará durante este ano é se as questões não forem resolvidas rapidamente”, disse Roper aos legisladores, segundo a Defense News.

Durante uma visita em 14 de março à unidade de produção e modificação do KC-46 da Boeing em Everett, Washington, o Subsecretário da Força Aérea Matthew Donovan elogiou a empresa, mas encorajou a empresa a “dobrar o esforço” para “levar o programa para a linha do gol”.

“Eu fui um cara que aparecia atrás de um avião-tanque em um monoposto, com pouco combustível, a 500 milhas acima do Círculo Ártico, a 800 milhas sobre o Atlântico Norte, ou em áreas hostis como no Iraque”, disse Donovan. “O reabastecimento aéreo é uma missão que não pode falhar.”

FONTE: Business Insider

Postar um comentário

Postagens mais visitadas