Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Radicais sírios estariam recebendo armamento dos EUA através da fronteira com Jordânia

Enquanto o exército sírio parece estar pronto para uma grande ofensiva na província de Daraa, os grupos radicais que operam na região estariam recebendo grandes remessas de material bélico "Made in USA".
Sputnik

Os grupos militantes que atuam no sul da Síria receberam uma grande quantidade de armas e munições fabricadas nos EUA, incluindo mísseis antitanque TOW, informou a agência de notícias FARS.

De acordo com a FARS, o armamento foi entregue através da fronteira com a Jordânia no âmbito de um novo plano dos EUA para assegurar mais apoio a estes grupos na Síria.

A agência informou também que os grupos militantes na província de Daraa começaram a se preparar para impedir a ofensiva do exército sírio.

No início deste mês, o exército sírio intensificou as ações no sudoeste do país, controlado por radicais, perto da fronteira com a Jordânia e as Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O Ministério da Defesa da Rússia acrescentou que as forças do governo sírio, apoiadas por um grande a…

Putin revela novo arsenal nuclear russo

Em discurso a duas semanas da eleição, com ameaças aos EUA e traços de Guerra Fria, presidente russo apresenta míssil atômico que seria capaz de burlar todos os sistemas de defesa existentes.


Deutsch Welle

O presidente russo, Vladimir Putin, revelou nesta quinta-feira (01/03) as novas estrelas do arsenal de seu país, incluindo mísseis balísticos que, segundo afirma, poderiam alcançar qualquer ponto da Terra e seriam impossíveis de serem interceptados por escudos dos Estados Unidos e da Otan.


Putin perante os legisladores: discurso foi adiado, para acontecer mais perto da eleição
Putin perante os legisladores: discurso foi adiado, para acontecer mais perto da eleição

"Ninguém no mundo tem nada igual até agora. É algo fantástico!", disse Putin, em seu discurso anual sobre o estado da nação, enquanto um telão exibia infográficos com a trajetória de um míssil sobrevoando o território americano e imagens dos testes dos armamentos.

O discurso, um dos mais beligerantes de Putin no Kremlin, é realizado a pouco mais de duas semanas das eleições de 18 de março. E, em tom que fez lembrar a Guerra Fria, joga com temores antigos da população, de que a Rússia poderia ser invadida a qualquer momento.

“Nós vamos considerar qualquer uso de arma nuclear contra a Rússia ou seus aliados um ataque nuclear contra o nosso país”, afirmou Putin, com frequência ovacionado por uma plateia composta de parlamentares russos e outros notáveis. “A resposta seria imediata.”

Entre as novas armas apresentadas – algumas estariam prontas, outras em desenvolvimento – estão um novo míssil balístico intercontinental, uma pequena ogiva nuclear que pode ser acoplada a mísseis de cruzeiro, drones nucleares submarinos, uma arma supersônica e uma arma a laser.

“Eles não conseguiram conter a Rússia”, discursou Putin, referindo-se aos Estados Unidos e à União Europeia. “Agora eles precisam levar em conta uma nova realidade e entender que tudo que eu disse hoje não é um blefe.”

O ponto alto da apresentação foi um vídeo mostrando um míssil nuclear que poderia atingir qualquer ponto do planeta. Nas imagens, vê-se o projétil, que teria sido testado em 2007, deixando a Rússia, cruzando o Atlântico Sul, passando pelo cabo Horn, rumo à costa oeste dos EUA.

"O sistema antimísseis americano será inútil e não terá nenhum sentido", afirmou. "Não mostrei todas as armas que temos. Por hoje, é suficiente. Acredito que tudo o que foi dito na minha mensagem sirva para acalmar qualquer agressor potencial."

A fala de Putin também foi repleta de promessas de melhorar os padrões sociais dos russos. Ele prometeu, por exemplo, que nos próximos seis anos o país se tornará uma das cinco maiores economias do mundo, com crescimento de 150% do PIB.

O discurso perante os legisladores é realizado anualmente, mas desta vez foi feito dois meses mais tarde do que o habitual, o que foi interpretado pela oposição e observadores como uma manobra para transformá-lo em campanha eleitoral para as eleições.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas