Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

Quantos mísseis são precisos para conter ICBM russo Sarmat? Senador aponta

Senador russo, Viktor Bondarev, contou à Sputnik quantos mísseis interceptores estadunidenses são precisos para conter o míssil balístico intercontinental (ICBM) russo Sarmat.


Sputnik

"Para interceptar o ICBM Sarmat serão precisos pelo menos 500 mísseis interceptores norte-americanos, diz a conclusão de especialistas ocidentais", afirmou Viktor Bondarev, presidente do Comitê de Defesa e Segurança do Conselho da Federação (câmara alta do parlamento russo).


Resultado de imagem para sarmat
Reprodução

O senador também destacou as capacidades do sistema de mísseis hipersônicos Kinzhal.

"O Kinzhal com seu portador aéreo também é inatingível para os meios de defesa antiaérea adversária, sendo capaz de acertar em quaisquer alvos", comentou.

Anteriormente, o jornal The New York Times informou, citando um alto funcionário, que o presidente dos EUA, Donald Trump, tinha expressado preocupações quanto às mais recentes armas russas, que poderão superar os meios de defesa estadunidense, durante uma conversa telefônica com seu homólogo russo Vladimir Putin.

No âmbito da mensagem anual à Assembleia Federal em 1º de março, Vladimir Putin apresentou as armas estratégicas mais recentes que foram incorporadas nas Forças Armadas do país. Em particular, as forças estratégicas nucleares receberam 80 novos ICBM, 102 mísseis balísticos para submarinos e três submarinos nucleares estratégicos da classe Borei.

Durante o discurso, Putin também demonstrou testes do míssil russo com propulsor nuclear e do sistema de mísseis Sarmat.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas