Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Oficial do Hezbollah: nossos mísseis podem atingir qualquer ponto de Israel

O Hezbollah é capaz de atingir qualquer ponto em Israel com seus mísseis, disse Sheikh Naim Qassem, secretário-geral adjunto do movimento libanês Hezbollah em entrevista ao jornal iraniano al-Vefagh.
Sputnik

"Não há um único ponto nos territórios ocupados fora do alcance dos mísseis do Hezbollah", disse Qassem.


Segundo o alto funcionário, os mísseis servem para impedir Israel de iniciar outra guerra com o Líbano, expondo a "frente israelense".

Qassem comentou também a guerra na Síria, onde o Hezbollah desempenhou um papel ativo na assistência ao governo sírio contra vários agrupamentos terroristas, incluindo o Daesh e Frente al-Nusra (grupos terroristas proibidos na Rússia). O funcionário elogiou as vitórias alcançadas contra os terroristas, mas criticou os EUA por sua suposta obstrução ao processo de paz.

As tensões entre Tel Aviv e o movimento libanês xiita Hezbollah aumentaram em 4 de dezembro depois que as tropas israelenses lançaram a operação Northern Shield, dest…

Reino Unido classifica de "lamentável" a resposta da Rússia por caso Skripal

O Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido qualificou nesta sexta-feira de "lamentável" a decisão da Rússia de solicitar que o governo britânico reduzisse seu pessoal diplomático em território russo, após o caso do envenenamento do ex-espião duplo Sergei Skripal no sul da Inglaterra.


EFE

Londres - O governo britânico expulsou na semana passada 23 diplomatas russos em represália pelo envenenamento de Skripal e de sua filha Yulia com um agente nervoso no último dia 4 em Salisbury, no sul da Inglaterra, uma ação que o Reino Unido considera que, provavelmente, teve o envolvimento do Kremlin.


O chefe da diplomacia britânica, Boris Johnson. EPA/NEIL HALL
O chefe da diplomacia britânica, Boris Johnson. EPA/NEIL HALL

Em resposta a essa medida, a Rússia procedeu com a expulsão do mesmo número de funcionários britânicos e, segundo os veículos de imprensa, pediu hoje ao governo britânico que reduza seu número de funcionários diplomáticos para o mesmo nível que a Rússia tem no Reino Unido, cujo número não foi revelado.

"É lamentável, mas, à luz do comportamento anterior da Rússia, esperávamos uma resposta. Não obstante, isso não muda a questão que foi uma tentativa de assassinato de duas pessoas em solo britânico, pelo qual não há outra conclusão alternativa que o Estado russo foi culpado", afirmou uma porta-voz do ministério britânico.

A porta-voz acrescentou que a Rússia viola o direito internacional e a Convenção sobre Armas Químicas e ressaltou que as medidas de outros países, que também expulsaram diplomatas russos em solidariedade com o Reino Unido, "demonstra a profundidade da preocupação internacional".

O ex-espião russo permanece hospitalizado em estado crítico, mas fontes oficiais indicaram ontem que o estado de Yulia Skripal melhorou e, segundo alguns veículos de imprensa, ela já estaria conseguindo falar.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas