Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Residente de Ghouta Oriental: logo que Daesh conquistou o poder, começaram as torturas

Um morador de Ghouta Oriental, Ahmed, relatou na entrevista à Sputnik Internacional sobre a sua vida antes de sair da prisão controlada pelo Daesh (organização terrorista proibida na Rússia).


Sputnik

"Era impossível sair, se alguém tentava fugir para as regiões controladas pelo exército sírio, punha em risco a sua vida e a dos seus familiares", disse Ahmed.


Fumaça saindo de um edifício depois de bombardeamentos na cidade de Douma, em Ghouta Oriental
Ghouta Oriental © AFP 2018/ HAMZA AL-AJWEH

O ex-prisioneiro revela que uma tentativa de escapar fracassada só piorava as coisas, já que os terroristas consideravam tal pessoa como traidor. Eles poderiam não a matar, mas violavam os seus direitos de uma maneira diferente.

"Fui forçado a apoiar a ideia de criação do Daesh; para atingir esse objetivo era preciso denegrir o Estado sírio e o exército, caso contrário uma pessoa era considerada infiel, não muçulmana, embora as crenças dos militantes e suas ações estejam longe do Islã".

Ahmed compartilhou com a Sputnik Internacional que se sente extremamente feliz por estar livre, e que é um "milagre" que ele e sua família estejam finalmente livres dos horrores do terrorismo.

"Os militantes mudaram significativamente as nossas vidas. Logo que conquistaram o poder na região, estabeleceram prisões e salas de tortura. Na mídia, estavam constantemente acusando o governo e exército de tudo", frisou.

Falando sobre a libertação, ele adicionou que o exército sírio percebeu que os prisioneiros não eram culpados, pois os militantes usavam-nos como escudos humanos".

De acordo com o comando do exército sírio, as tropas governamentais já libertaram 70% do território de Ghouta Oriental, que tinha estado sob o controlo dos terroristas desde 2012.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas