Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Residente de Ghouta Oriental: logo que Daesh conquistou o poder, começaram as torturas

Um morador de Ghouta Oriental, Ahmed, relatou na entrevista à Sputnik Internacional sobre a sua vida antes de sair da prisão controlada pelo Daesh (organização terrorista proibida na Rússia).


Sputnik

"Era impossível sair, se alguém tentava fugir para as regiões controladas pelo exército sírio, punha em risco a sua vida e a dos seus familiares", disse Ahmed.


Fumaça saindo de um edifício depois de bombardeamentos na cidade de Douma, em Ghouta Oriental
Ghouta Oriental © AFP 2018/ HAMZA AL-AJWEH

O ex-prisioneiro revela que uma tentativa de escapar fracassada só piorava as coisas, já que os terroristas consideravam tal pessoa como traidor. Eles poderiam não a matar, mas violavam os seus direitos de uma maneira diferente.

"Fui forçado a apoiar a ideia de criação do Daesh; para atingir esse objetivo era preciso denegrir o Estado sírio e o exército, caso contrário uma pessoa era considerada infiel, não muçulmana, embora as crenças dos militantes e suas ações estejam longe do Islã".

Ahmed compartilhou com a Sputnik Internacional que se sente extremamente feliz por estar livre, e que é um "milagre" que ele e sua família estejam finalmente livres dos horrores do terrorismo.

"Os militantes mudaram significativamente as nossas vidas. Logo que conquistaram o poder na região, estabeleceram prisões e salas de tortura. Na mídia, estavam constantemente acusando o governo e exército de tudo", frisou.

Falando sobre a libertação, ele adicionou que o exército sírio percebeu que os prisioneiros não eram culpados, pois os militantes usavam-nos como escudos humanos".

De acordo com o comando do exército sírio, as tropas governamentais já libertaram 70% do território de Ghouta Oriental, que tinha estado sob o controlo dos terroristas desde 2012.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas