Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil abre processo administrativo para apurar vídeo de militares dançando 'Jenifer' em navio

Em nota, a Marinha informou que e 'foi constatado comportamento completamente incompatível com as tradições' e que irá apurar o ocorrido.
Por G1 Rio

A Marinha do Brasil instaurou um processo administrativo para apurar um vídeo em que um grupo de militares aparece dançando a música "Jenifer" em um navio oficial.


A embarcação, segundo a Marinha, é o Aviso de Instrução Guarda-Marinha Brito, que fica sediado no Rio de Janeiro. A gravação foi feita durante o estágio de mar de militares.

Em nota, a Marinha informou que "foi constatado comportamento completamente incompatível com as tradições da Marinha" e que, para ampliar a apuração do ocorrido, foi instaurado um procedimento administrativo "cuja conclusão, certamente, conterá as propostas pertinentes às necessárias correções no inaceitável comportamento".

Assista o vídeo

Rússia destruiu todas as armas químicas da União Soviética, diz ministro

A Rússia já eliminou toda a reserva de armas químicas acumulada pela União Soviética, disse o ministro russo do Comércio e Indústria, Denis Manturov, nesta quarta-feira (14).


Sputnik

"Todas as armas químicas que foram criadas na União Soviética foram destruídas, sem exceções", disse Manturov.


Bombas de fósforo em unidade de destruição de armas químicas na cidade russa de Shchuchye, na Sibéria
Bombas de fósforo © Sputnik/ Pavel Lisitsyn

O ministro fez a afirmação em reunião partidária após ser perguntado se Moscou havia destruído seu estoque do agente neurotóxico Novichok — que o governo britânico afirma ser a arma utilizada no ataque ao ex-espião russo Sergei Skripal em Salisbury.

A destruição completa das armas químicas da Rússia foi confirmada pelos inspetores da Organização para a Proibição de Armas Químicas que estiveram nas instalações de descarte de 2002 a 2017.

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, acusou a Rússia de ser responsável pelo ataque a Skripal pois a substância utilizada para envenená-lo foi desenvolvida na União Soviética nas décadas de 1970 e 1980.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, ressaltou que nenhum fato que comprove o envolvimento da Rússia no incidente foi fornecidos pelo Reino Unido. Segundo o ministro, a Rússia não recebeu nenhum pedido oficial de Londres sobre a questão do caso Skripal. Ele acrescentou que a Rússia não tinha motivos para envenenar o ex-oficial da inteligência.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas