Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Oficial americano joga culpa para Israel pelo ataque às forças sírias

No domingo (17), a mídia síria relatou ataque ao povoado sírio Al-Harra, província de Deir ez-Zor, na fronteira com o Iraque, supostamente realizado pela coalizão internacional, liderada pelos EUA, tendo como alvo forças governamentais. Porém, um oficial americano culpou Israel pelo ataque.
Sputnik

Anteriormente, uma fonte militar relatou à mídia síria que drones "provavelmente americanos" bombardearam Al-Harra, entre Abu Kamal e Al-Tanf.

Segundo dados das Forças de Mobilização Popular iraquianas, o ataque matou 22 soldados iraquianos. O Observatório Sírio de Direitos Humanos, por sua vez, disse que o número total de vítimas corresponde a 52 pessoas, citado pelo Haaretz.

"Entre [os mortos] estão ao menos 30 militares iraquianos e 16 sírios, incluindo soldados e membros da milícia leal ao governo", afirmou à mídia o chefe do Observatório Sírio, Rami Abdel Rahman.

Comentando a notícia, o porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA, Adrian Rankine-Galloway, descartou que W…

Saab oferece tecnologia de radar AESA ao novo caça de Seul em troca de aeronaves Swordfish

Na tentativa de arrebatar um contrato de aeronaves patrulha marítima na Coreia do Sul, a Saab, empresa de defesa sueca, abriu a possibilidade de transferir sua avançada tecnologia de radar para o KF-X, programa de desenvolvimento de jatos de caça de Seul, reveou um representante da Saab.


Por Jeff Jeong | Defense News | Poder Aéreo

SEUL, Coreia do Sul – A oferta foi feita porque a Saab está tentando convencer a Administração do Programa de Aquisição de Defesa, ou DAPA, a decidir abrir um programa de aquisição de aeronaves antissubmarino de US$ 1,8 bilhão, que deverá ser entregue à Boeing dos EUA, que oferece o P-8A Poseidon.


Saab Swordfish MPA

A Saab está lançando a aeronave de patrulha marítima Swordfish, construída sobre a plataforma de jatos executivos da Bombardier Global 6000, que a empresa sueca afirma compartilhar 70% de comunalidade com a aeronave de alerta aéreo antecipado e controle GlobalEye.

“Estamos abertos a discutir muitas áreas com a DAPA e o governo coreano”, disse Richard Hjelmberg, informou o diretor de marketing e vendas da Saab ao Defense News durante uma sessão de mesa-redonda em um hotel em Seul em 20 de março. Se chegarmos à mesa para negociações e discussões completas, estamos abertos a discutir outras áreas além daquelas relacionadas ao programa de aeronaves de patrulha marítima.”

As regras locais do programa de compensações (offset) exigem que o valor de qualquer licitante de contrato de armas atenda a pelo menos 50% dos custos totais do negócio em questão.

Gary Shand, diretor de vendas e marketing de ISR aerotransportados, foi mais específico sobre a lista de propostas de compensação da Saab, incluindo a transferência de uma avançada tecnologia de radar de varredura eletrônica ativa ou AESA.

“Nós temos falado sobre a produção de peças acontecendo na Coreia, obviamente. Temos conversado sobre a participação da indústria local na integração de certas partes de nossos sistemas de missão”, disse ele. “Além disso, acho que a Saab tem uma ampla variedade de produtos em portfólio, incluindo a tecnologia de radar AESA para o programa KF-X. Poderia ser um ponto de discussão para nós olharmos para a possibilidade e alguma cooperação em áreas não diretamente relacionadas ao programa MPA”.

O ideal da transferência de tecnologia AESA da Saab é chamar a atenção do governo de Seul já que os desenvolvedores do KF-X estão se esforçando para adquirir tecnologia AESA comprovada.

A Agência para o Desenvolvimento da Defesa (ADD), financiada pelo Estado, e a Hanwha Systems, uma desenvolvedora de radar local, juntaram esforços em 2016 para construir um radar AESA nativo a ser montado no KF-X. O cronograma de desenvolvimento do jato ficou atrasado alguns anos além de sua meta inicial, devido à falta de tecnologia AESA, após a desaprovação pelo governo dos EUA da transferência de tecnologia AESA, após a compra de 40 caças F-35A pela Coreia.

Em maio do ano passado, a Elta Systems de Israel foi selecionada pela ADD para apoiar o desenvolvimento do radar AESA. Sob o contrato avaliado em cerca de US$ 36 milhões, a empresa israelense está encarregada de testar um sistema de radar AESA em todas as fases de desenvolvimento e integrá-lo ao protótipo do KF-X.

“A ADD originalmente queria obter tecnologia AESA da Saab ou da Thales, mas o plano foi rompido devido a questões de requisitos e orçamento”, disse uma fonte de defesa local envolvida na competição de radar, sob condição de anonimato. “A Elta, afinal, participou do projeto, mas alguns permanecem céticos em relação ao nível de tecnologia AESA da Elta, já que a empresa israelense não desenvolveu um radar AESA.”

Uma autoridade da Hanwah Systems, anteriormente conhecida como Samsung Thales, estava tentando ignorar as preocupações sobre o desenvolvimento ao AESA, mas admitiu os benefícios de obter a tecnologia AESA de outros países, se possível.

“A Elta é responsável pela certificação de todas as fases do processo de projeto e desenvolvimento do radar AESA, e a cooperação com a empresa israelense foi bem-sucedida”, disse o funcionário, sob condição de anonimato. “Mas se conseguirmos uma tecnologia AESA mais avançada, o cronograma para o desenvolvimento será avançado com certeza.”

A Saab foi parceira do desenvolvimento exploratório do radar AESA do KF-X em parceria com a ADD e a LIG Nex1, uma fabricante local de armas guiadas com precisão. A empresa sueca ainda tem um contrato com os parceiros coreanos para cooperação no desenvolvimento de software do AESA, segundo um porta-voz da ADD.

“A Saab foi a primeira empresa estrangeira que participou do projeto de radar do KF-X, portanto, a empresa mantém uma boa química com a equipe coreana”, disse Kim Dae-young, pesquisador do Korea Research Institute for National Strategy, um think tank baseado em Seul. “Anos depois, no entanto, um desenvolvedor local foi trocado e o programa de desenvolvimento do AESA foi reiniciado com um novo parceiro estrangeiro. Ainda não está claro quanto ao futuro da oferta de desenvolvimento do AESA.”

Liderado pela Korea Korea Aerospace Industries, o desenvolvimento em larga escala do KF-X começou em 2016 com o objetivo de produzir seis protótipos até 2021. A empresa de defesa estatal da Indonésia, PT Dirgantara Indonesia, é a única parceira do projeto de US$ 8 bilhões, responsável por 20% dos custos de desenvolvimento.

Cerca de 120 aeronaves KF-X serão produzidas até 2032 para substituir a antiga frota de F-4 e F-5 da Força Aérea da Coreia do Sul.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas