Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Poloneses pedem a Trump ajuda para conseguir indenização da Rússia e Alemanha pela 2ª Guerra

Um auto-proclamado "partido bíblico antiglobalista" pró-EUA e pró-Israel da Polônia, que se autodenomina "Movimento 11 de novembro", criou uma petição no site We the People da Casa Branca pedindo ao presidente Donald Trump ajude a obter "compensação adequada" da Rússia e da Alemanha por danos causados ​​na Segunda Guerra Mundial.
Sputnik

"Os poloneses livres estão apelando para os EUA, o vencedor na Segunda Guerra Mundial e o fiador dos acordos do pós-guerra, para obter ajuda na recuperação das reparações de guerra da Alemanha e da Rússia", diz a petição.


Além de alcançar a "justiça histórica", uma campanha de reparações bem-sucedida desempenharia "um papel fundamental na Polônia, tornando-se um forte aliado dos Estados Unidos diante da ameaça que surge na Europa e na Ásia — um novo Império do Mal".

Falando ao The New American, uma pequena revista de propriedade da John Birch Society, o co-autor e vice-presidente do Movimento 11…

Submarinos russos foram à costa dos EUA sem serem detectados, diz militar russo

Os submarinos nucleares russos conduziram um exercício perto das bases militares norte-americanas com o objetivo de evitar a detecção quando chegaram perto da costa dos Estados Unidos, disse um comandante do esquadrão submarino a um canal de TV militar russo.


Sputnik

A deslumbrante revelação foi feita em uma série de TV militar lançada no Zvezda ('Estrela'), o organismo de transmissão do Ministério da Defesa russo. O episódio se concentra em submarinos de ataque nucleares de classe Akula, os Shchuka-B.


A file picture taken in Brest harbor, western France, on September 21, 2004, shows the Vepr Russian nuclear submarine of the Project 971 Shchuka-B type, or Akula-class (Shark) by NATO classification , the same type as the Nerpa Russian nuclear submarine
Submarino russo Classe Akula © AFP 2018/ FRED TANNEAU

De acordo com um oficial de submarino entrevistado pelo canal, o comando da Marinha russa ordenou que se posicionasse na proximidade das bases militares dos EUA durante os exercícios.

"Esta missão foi realizada, os submarinos apareceram no local definido no oceano e voltaram para a base", disse ao Zvezda o comandante do esquadrão submarino, Sergei Starshinov.

Perguntado se os submarinos conseguiram ficar longe do radar durante a missão, Starshinov respondeu afirmativamente.

"Sim. Este é o nosso objetivo — ir e vir sem ser detectado", revelou.

O comandante da Marinha disse que as embarcações russas chegaram "suficientemente perto" das margens americanas, mas não violaram as fronteiras marítimas dos EUA, permanecendo em águas neutras.

A data e a localização da missão secreta não foram divulgadas, mas o canal disse que os submarinos nucleares russos "chegaram ao litoral dos EUA".

O submarino Shchuka-B foi encomendado para a Marinha Soviética em 1986. O submarino de energia nuclear é capaz de lançar mísseis de cruzeiro Kalibr ou Granat, envolvendo alvos subaquáticos com seus torpedos de 553mm e podendo ficar submersos por até 100 dias, de acordo com fontes abertas.

Tal como acontece com muitos submarinos nucleares russos, as informações de seu status, bem como as atualizações atuais e passadas, são escassas. Entende-se que vários submarinos desta classe estão sendo operados pela Marinha russa ou estão passando por modernização. Um submarino Shchuka-B foi arrendado para a Índia, onde entrou no serviço sob o nome INS Chakra.

Em 2016, um alto funcionário da Marinha dos EUA queixou-se de que os militares não podem garantir a plena consciência das atualizações de submarinos russos que estavam no nível não visto desde a Guerra Fria.

"Os submarinos que estamos vendo são muito mais sigilosos", disse à CNN o almirante Mark Ferguson, comandante das Forças Navais dos EUA na Europa na época. Os russos "têm sistemas de armas mais avançados, sistemas de mísseis que podem atacar a terra em longas distâncias", e suas capacidades operacionais estavam melhorando "à medida que vão mais longe das águas locais".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas