Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Trump não encontrará Kim Jong-un se não vir 'ações concretas' de Pyongyang, diz Casa Branca

Reunião entre presidente americano e ditador norte-coreano foi anunciada nesta quinta-feira.


Reuters


A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, afirmou nesta sexta-feira (9) em coletiva de imprensa que o presidente americano Donald Trump não irá se encontrar com o líder norte-coreano Kim Jong-un se não vir "ações concretas" por parte de Pyongyang.

Sarah Sanders, porta-voz da Casa Branca, durante coletiva de imprensa nesta sexta-feira (9) na Casa Branca (Foto: Leah Millis/Reuters)
Sarah Sanders, porta-voz da Casa Branca, durante coletiva de imprensa nesta sexta-feira (9) na Casa Branca (Foto: Leah Millis/Reuters)

“Essa reunião não vai acontecer até que vejamos ações concretas que vão de encontro com as promessas que foram feitas pela Coreia do Norte”, disse Sanders a jornalistas.

Nesta quinta, o conselheiro de Segurança Nacional da Coreia do Sul, Chung Eui-Yong, fez o surpreendente anúncio de que o ditador norte-coreano convidou Trump para fazer uma reunião sobre seu programa nuclear, e o americano aceitou acrescentando que encontraria Jong-un até maio. O lugar e a data específica da reunião ainda não foram determinados.

Trump aceitou o convite depois que a Coreia do Norte se comprometeu com sua desnuclearização e o fim de testes nucleares e reconheceu que os exercícios militares conjuntos da Coreia do Sul e dos EUA devem continuar.

Questionado se o período até maio é suficiente para assegurar-se de que a Coria do Norte cumprirá suas promessas, Sanders reforçou que a “campanha de máxima pressão” contra a Coreia é feita há muito tempo, desde que Trump tomou posse, há pouco mais de um ano.

Os EUA e o Conselho de Segurança da ONU impuseram sanções à Coreia do Norte que prejudicam a economia do país.

Na quinta, o enviado sul-coreano aos EUA já havia afirmado que "as pressões continuarão sobre o vizinho do norte até que suas palavras virem ações concretas".

Pelo Twitter, Trump escreveu: "Kim Jong Un falou sobre a desnuclearização com os representantes sul-coreanos, não apenas um congelamento. Além disso, nenhum teste de mísseis pela Coreia do Norte durante esse período. Grandes progressos estão sendo feitos, mas as sanções permanecerão até que um acordo seja alcançado. Reunião sendo planejada!".

Caso realmente ocorra, será o primeiro encontro de líderes em exercício dos dois países. Resta saber se a cúpula vai culminar em qualquer avanço significativo após um ano bastante turbulento na relação entre eles.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas