Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Seul celebra decisão de Pyongyang em suspender testes nucleares e de mísseis

Presidente sul-coreano Moon Jae-in e o líder norte-coreano Kim Jong-un irão se encontrar na próxima sexta-feira (27).
EFE

O governo da Coreia do Sul qualificou neste sábado (21) como um "progresso significativo" para a desnuclearização da Coreia do Norte a decisão do regime de Pyongyang de suspender os seus testes atômicos e de mísseis, assim como o fechamento de seu centro de testes nucleares.

Em um comunicado enviado pelo gabinete presidencial sul-coreano, Seul considerou que "a decisão da Coreia do Norte é significativa para a desnuclearização da península coreana" e disse, além disso, que "ajudará a criar um ambiente muito positivo para o sucesso das próximas cúpula intercoreana e entre o Norte e Estados Unidos".

O governo sul-coreano se comprometeu em preparar o iminente encontro entre seu presidente, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, previsto para o próximo dia 27, de modo a "liderar o caminho para a desnuclearização e paz duradour…

Alemanha não participará de ação militar contra a Síria, diz Merkel

Chanceler disse que há “muitos indícios” de que Damasco voltou a usar armas químicas. Casa Branca volta a afirmar que nenhuma decisão final sobre ataque foi tomada.


Deutsch Welle

A chanceler federal Angela Merkel disse nesta quinta-feira (12/04) que a Alemanha não vai tomar parte em uma eventual ação militar contra o regime sírio em resposta ao ataque químico contra uma área rebelde no último final de semana.


Merkel empfängt dänischen Ministerpräsidenten Rasmussen (picture-alliance/dpa/W. Kumm)
"Há muito indícios de que o regime sírio empregou armas químicas novamente", disse Merkel.

Os EUA, a França e o Reino Unido apontaram que o governo de Bashar al-Assad pode ter cometido o ataque e ainda estudam uma possível retaliação militar contra as forças do ditador.

Diante da escalada de tensão na região, Merkel tratou de esclarecer a posição da Alemanha.

"A Alemanha não participará de uma possível – ainda não houve nenhuma decisão, quero enfatizar isso – ação militar”, disse, após reunião com o primeiro-ministro dinamarquês, Lars Lokke Rasmussen, em Berlim.

"Mas, nós apoiamos tudo que está sendo feito para mostrar que o uso de armas químicas não é aceitável”, disse Merkel, acrescentando que, se for necessário, a Alemanha vai procurar ajudar os EUA, a França e o Reino Unido por meio de ajuda que não envolva militares.

No momento, a Alemanha participa na Síria e no Iraque junto com os EUA e outros países dos esforços militares para combater as forças terroristas do Estado Islâmico (EI). A operação foi iniciada em 2015 e desde então a Alemanha vem empregando aviões de reconhecimento e de reabastecimento na região.

Merkel também apontou "há muito indícios de que o regime sírio empregou armas químicas novamente, como já fez há cerca de um ano”.

A chanceler também criticou brevemente a Rússia – aliada do regime sírio –, que nesta semana vetou no Conselho de Segurança uma resolução dos EUA para a formação de uma equipe de inquérito para investigar o ataque químico. Para Merkel, esse tipo de ação "não conta a favor da Rússia”.

Também nesta quinta-feira, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Mass, disse que nem os franceses nem os americanos procuraram os alemães para pedir assistência militar.

Merkel foi questionada por repórteres sobre o que pensava sobre a linguagem belicosa e por vezes contraditória do presidente dos EUA, Donald Trump, que em dado momento pareceu anunciar um ataque iminente contra a Síria e depois moderou o tom. Merkel, no entanto, evitou responder.

Ainda sem uma decisão

Na quarta-feira, Trump disse no Twitter em tom de provocação com os russos que mísseis seriam disparados na Síria. "A Rússia ameaçou derrubar todos os mísseis disparados na Síria. Prepare-se, Rússia, porque eles vão chegar, bonitos, novos e 'smart'. Vocês não deveriam ser parceiros desse animal que mata com gás seu próprio povo e tem prazer nisso", disse o presidente americano.

No mesmo dia, no entanto, assessores de Trump disseram que nenhuma decisão definitiva sobre um ataque contra o regime sírio havia sido tomada. Nesta quinta-feira, o próprio Trump afastou a possibilidade de um ataque iminente.

"Nunca disse quando um ataque à Síria ocorreria. Pode ser logo ou não tão logo assim", disse o presidente por meio do Twitter.

Na noite desta quinta-feira, a Casa Branca mais uma vez reforçou que nenhuma decisão final foi tomada.

"Ainda estamos solicitando relatórios de inteligência e estamos tendo conversas com nossos parceiros e aliados”, informou a porta-voz Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, em comunicado. "Não se chegou a uma decisão final".

Trump mencionou o assunto mais uma vez durante a noite e se limitou a dizer que uma decisão sobre a Síria será tomada "razoavelmente em breve”. Ele acrescentou que está olhando "muito, muito seriamente” para a situação.

Os aliados dos EUA também ainda parecem estar estudando suas opções e indicaram que nenhuma decisão final foi tomada. Os EUA, França e o Reino Unido têm efetuado consultas sobre o lançamento de um ataque militar, mas o momento e a escala de qualquer ação ainda não estão claros.

O gabinete de crise britânico deu hoje "luz verde” à primeira-ministra, Theresa May, para se juntar aos EUA e à França, mas disse que o Reino Unido ainda está na fase de planejamento de um possível resposta militar.

Já Presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou hoje que dispõe de "provas" de que o regime de Bashar al-Assad utilizou armas químicas, mas disse que a França tomará decisões "em tempo oportuno".

Postar um comentário