Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Ataque com mísseis atinge depósito de armas do Exército da Síria

Bases militares sírias foram atingidas por um ataque com mísseis nas províncias de Hama e Allepo neste domingo (29), segundo a televisão local.


Sputnik

"O depósito de armas da 47ª brigada do exército sírio foi atacado perto de Hama. Explosões poderosas e grandes incêndios ocorreram como resultado", disse uma fonte da polícia síria à Sputnik.


Fumaça causada por explosão na cidade síria de Afrin durante operação turca Ramo de Oliveira
© AP Photo / Can Erok/DHA-Depo Photos

O ataque também foi relatado pelo canal Surya TV. De acordo com a televisão estatal, há uma investigação em andamento para determinar a origem das explosões.

Israel pode ser o responsável pelo ataque, afirma o jornal israelense Hareetz.

Neste domingo, o ministro de Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, disse que o país irá manter sua "liberdade de operação" na Síria.

"Não temos intenção de atacar a Rússia ou interferir em questões domésticas sírias", esclareceu Lieberman na conferência anual do Jerusalem Post. "Mas se alguém acha que é possível lançar mísseis ou atacar Israel ou até mesmo nossas aeronaves, sem dúvida responderemos e responderemos com muita força."

No início deste mês, jatos israelenses atingiram uma base aérea síria, matando sete assessores militares iranianos. Israel alertou que pode atacar bases iranianas no país devastado pela guerra se as tensões com Teerã aumentarem, de acordo com o Jerusalem Post.

Postar um comentário