Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Ataque com mísseis atinge depósito de armas do Exército da Síria

Bases militares sírias foram atingidas por um ataque com mísseis nas províncias de Hama e Allepo neste domingo (29), segundo a televisão local.


Sputnik

"O depósito de armas da 47ª brigada do exército sírio foi atacado perto de Hama. Explosões poderosas e grandes incêndios ocorreram como resultado", disse uma fonte da polícia síria à Sputnik.


Fumaça causada por explosão na cidade síria de Afrin durante operação turca Ramo de Oliveira
© AP Photo / Can Erok/DHA-Depo Photos

O ataque também foi relatado pelo canal Surya TV. De acordo com a televisão estatal, há uma investigação em andamento para determinar a origem das explosões.

Israel pode ser o responsável pelo ataque, afirma o jornal israelense Hareetz.

Neste domingo, o ministro de Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, disse que o país irá manter sua "liberdade de operação" na Síria.

"Não temos intenção de atacar a Rússia ou interferir em questões domésticas sírias", esclareceu Lieberman na conferência anual do Jerusalem Post. "Mas se alguém acha que é possível lançar mísseis ou atacar Israel ou até mesmo nossas aeronaves, sem dúvida responderemos e responderemos com muita força."

No início deste mês, jatos israelenses atingiram uma base aérea síria, matando sete assessores militares iranianos. Israel alertou que pode atacar bases iranianas no país devastado pela guerra se as tensões com Teerã aumentarem, de acordo com o Jerusalem Post.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas