Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Ataques matam mais de 20 no Afeganistão; 10 são jornalistas

Homem-bomba disfarçado de repórter detonou explosivos em Cabul. Funcionário da BBC foi morto a tiros no sudeste do país.


Por G1*


Ao menos 26 pessoas, incluindo dez jornalistas e quatro policiais, morreram em ataques múltiplos nesta segunda-feira (30) no Afeganistão. Dois deles envolveram homens-bombas em Cabul, com 25 mortos e pelo menos 49 feridos. Em ataque separado no sudeste do país, um repórter que trabalhava para a BBC foi morto a tiros.



Forças de segurança correm do local do ataque suícida após a segunda explosão em Cabul, no Afeganistão (Foto: Massoud Hossaini/AP)
Forças de segurança correm do local do ataque suícida após a segunda explosão em Cabul, no Afeganistão (Foto: Massoud Hossaini/AP)

De acordo com a ONG Repórteres sem fronteiras, até então 14 jornalistas tinham morrido por causa do trabalho no mundo inteiro em 2018 - um deles no Brasil.

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou a autoria dos ataques a bomba em Cabul, mas a morte do jornalista da BBC ainda não tem autoria identificada.

Bombas em Cabul

Houve uma primeira explosão em Cabul, pouco antes das 8h (horário local), em uma área próxima à sede do Serviço de Inteligência Afegão (NDS).

"Um homem-bomba que circulava em uma motocicleta detonou seus explosivos diante de um curso de inglês na área de Shash Darak", afirmou o chefe de polícia de Cabul, Hashmat Stanikzai.

Jornalistas seguiram para o local do atentado, onde cerca de 30 minutos depois houve outra explosão. De acordo com uma fonte das forças de segurança, o segundo homem-bomba estava disfarçado de repórter com uma câmera na mão.

Shah Marai, diretor do departamento de fotografia da agência da AFP em Cabul, que seguiu para o local da primeira explosão, morreu na segunda detonação. Ele deixou mulher e seis filhos - o mais novo com apenas semanas de vida.

Estados Islâmico reivindica

Em um comunicado divulgado por sua agência de propaganda Amaq, o EI afirmou que o primeiro atentado atingiu a sede do serviço de inteligência e das forças de segurança afegãs e o segundo os jornalistas que seguiram para o local.



Forças de segurança do Afeganistão na área do segundo ataque em Cabul (Foto: REUTERS/Omar Sobhani)
Forças de segurança do Afeganistão na área do segundo ataque em Cabul (Foto: REUTERS/Omar Sobhani)

"Os apóstatas das forças de segurança, dos meios de comunicação e outras pessoas compareceram ao local da operação, onde um irmão os surpreendeu com seu colete de explosivos", informou nas redes sociais o braço do EI no Afeganistão.

O comunicado identifica o primeiro homem-bomba como "Kaaka al-Kurdi", o que sugere que era de origem curda, e o segundo como Khalil al Qurashi.

Ataque à imprensa

Outros oito jornalistas que também morreram no ataque a bomba trabalhavam para meios de imprensa afegãos, como Mashal TV, 1TV, Radio Azadi e Tolo News, que em 2016 foi alvo de um atentado que deixou sete mortos e também foi reivindicado pelos talibãs.

Em um outro ataque na província de Khost, um jornalista da BBC foi morto a tiros quando voltava para a casa. Ele trabalhava para a rede pública de notícias do Reino Unido havia cerca de um ano. Os suspeitos ainda não foram identificados.

O Comitê pela segurança dos jornalistas afegãos pediu uma investigação completa sobre os assassinatos ocorridos nesta segunda-feira. Segundo a entidade, os ataques miraram a liberdade de imprensa no país.

A agência AFP destacou o trabalho do fotógrafo Shah Marai e classificou o atentado como "barbárie".

"Estamos devastados pela morte de nosso fotógrafo Shah Marai, que era testemunha há mais de 15 anos da tragédia que afeta o país", declarou a diretora Informação da agência, Michèle Léridon.

"A direção da AFP saúda o valor, o profissionalismo e a generosidade deste jornalista que cobriu dezenas de atentados antes de ser ele mesmo vítima da barbárie", completou.

10 jornalistas mortos no Afeganistão

  • Mahram Durani – Azadi
  • Ebadullah Hananzai – Azadi
  • Yar Mohd Tokhi – TOLOnews
  • Ghazi Rasooli – 1TV
  • Nowroz Ali Rajabi – 1TV
  • Shah Marai – AFP
  • Saleem Talash – MashalTV
  • Ali Saleemi – MashalTV
  • Sabawoon Kakar – Azadi
  • Ahmad Shah - BBC
Série de atentados no Afeganistão

Cabul se tornou, de acordo com a ONU, o local mais perigoso do Afeganistão para os civis com o aumento dos atentados, geralmente cometidos por homens-bomba e reivindicados pelos talibãs ou o grupo extremista EI.

Pelo menos 11 crianças morreram e outras 17 pessoas ficaram feridas, entre elas cinco soldados romenos da Otan, em outro ataque suicida nesta segunda-feira contra um comboio das forças aliadas na província de Kandahar, no sul do Afeganistão.

Um suicida detonou um carro-bomba contra um comboio que passava perto de uma mesquita, provocando uma potente explosão que derrubou um muro que cercava o pátio do local religioso.

As crianças, que estavam no pátio da mesquita, morreram ao serem atingidas pelos estilhaços e esmagados pelos escombros do muro destruído pela explosão, que aconteceu no distrito de Daman por volta das 10h30 (3h em Brasília).

Um ataque no dia 22 de abril na capital afegã deixou quase 60 mortos e 20 feridos em um bairro de maioria xiita.

A sede do NDS, que parecia ser o alvo deste ataque, já havia sofrido um atentado em março, que deixou três mortos e cinco feridos.

No dia 27 de janeiro, um atentado na cidade provocou 103 mortes e deixou mais de 150 feridos.

Os talibãs iniciaram oficialmente na quarta-feira da semana passada sua ofensiva de primavera, denominada Al Khandaq, com o objetivo de "esmagar, matar e capturar os invasores americanos e seus partidários", de acordo com um comunicado.

* Com informações da AFP, EFE e Reuters.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas