Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA ameaçam Turquia com sanções em caso de compra dos sistemas S-400 da Rússia

Em dezembro 2017, Rússia e Turquia assinaram um acordo de empréstimo para o fornecimento de sistemas de mísseis de defesa aérea S-400 russos para a Turquia.
Sputnik

O assessor do secretário de Estado dos EUA, Wess Mitchell, declarou nesta quarta-feira (18), durante uma audiência na Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Representantes dos EUA, que a Turquia pode receber sanções após a compra dos sistemas de defesa russos S-400.


"Ancara confirma que concordou em comprar os sistemas de mísseis russos S-400, o que pode potencialmente levar a sanções no âmbito do artigo 231 da Lei de Contenção de Adversários da América Através de Sanções [CAATSA] e influencia negativamente sobre a participação no programa dos F-35 [caças de 5ª geração]", disse o representante do Departamento de Estado na audiência sobre a política dos EUA no Oriente Médio.

Em dezembro do ano passado, os representantes russos e turcos assinaram um acordo de crédito para fornecimento de sistemas S-400. Segundo …

Ataques obrigam reforço do sistema de defesa antiaérea da Síria, alerta analista militar

A Síria deve fortalecer seu próprio sistema de defesa antiaérea para repelir todos os ataques aéreos, incluindo os de Israel, disse à Sputnik o editor-chefe da revista Natsionalnaya Oborona (Defesa Nacional), Igor Korotchenko.


Sputnik

"Mais um ataque da Força Aérea de Israel levanta a questão de fortalecimento da defesa antiaérea síria, incluindo através de novos complexos de curto e médio alcance. O sistema de defesa antiaérea síria deve cobrir de modo independente o território do país e ser capaz de repelir os ataques da aviação inimiga, bem como diferentes mísseis de cruzeiro", ressaltou.


Fumaça saindo de um edifício depois de bombardeamentos na cidade de Douma, em Ghouta Oriental
Douma, Síria © AFP 2018/ HAMZA AL-AJWEH

Korotchenko sublinhou que os sistemas russos de defesa antiaérea S-400 e S-300B4, que estão posicionados na Síria, defendem exclusivamente as instalações russas (base aérea em Hmeymim e o posto de abastecimento e manutenção russo em Tartus) e não podem defender a infraestrutura síria.

Na noite de 8 de abril, a base aérea T-4 localizada na província síria de Homs foi atingida por um ataque com mísseis. Segundo a mídia síria, o ataque resultou em vários feridos e mortos. Dois caças F-15 da Força Aérea de Israel realizaram ataques com oito mísseis à base síria T-4, comunicou nesta segunda-feira o Ministério da Defesa russo. As unidades da defesa antimíssil síria, em combate aéreo, conseguiram abater cinco mísseis. Israel ainda não confirmou as informações.

O ataque à base síria foi levado a cabo um dia depois de os EUA, UE e Turquia terem acusado o governo sírio de utilizar armas químicas em Douma.

A organização Capacetes Brancos, cujos voluntários se dedicam ao resgate de vítimas em zonas controladas por grupos rebeldes na Síria, declarou que um helicóptero lançou um barril com uma substância química na noite de 7 de abril, causando dezenas de mortes e deixando centenas de feridos.

Damasco nega todas as acusações, afirmando ter avisado que os radicais na área estavam planejando provocações com o uso de armas químicas.

Postar um comentário