Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Novas incursões sauditas matam 5 civis iemenitas em Hudaydah

Pelo menos cinco civis foram mortos e vários outros ficaram feridos quando caças da Arábia Saudita realizaram uma série de ataques aéreos contra um bairro residencial na província costeira de Hudaydah, no Iêmen, enquanto o regime de Riad continua com sua campanha de bombardeio contra seu vizinho empobrecido.
Pars Today

Fontes locais, falando sob condição de anonimato, disseram à rede de televisão al-Masirah que aviões militares sauditas lançaram três ataques aéreos contra uma área no distrito de al-Hali, localizada a 150 quilômetros a sudoeste da capital Sana, na quinta-feira. tarde.


As fontes acrescentaram que cinco pessoas perderam a vida nos ataques, enquanto outras sofreram ferimentos.

Durante o dia, aviões de guerra sauditas atingiram o aeroporto de Sa'ada e a base militar de Kahlan, situada a 3 quilômetros a nordeste da cidade montanhosa do noroeste de Saada, com bombas de fragmentação.

Autoridade ucraniana: Rússia consegue ocupar países Bálticos em 3 horas

O chefe da administração militar e civil de Donetsk, Pavel Zhebrivsky, declarou que, em caso de uma "guerra híbrida" com a Rússia, OTAN não terá tempo de socorrer os Países Bálticos. Segundo ele, a "posicionamento ativo" dos Países Bálticos acerca do conflito em Donbass é motivado pelo medo de um eventual ataque por parte de Moscou.


Sputnik

"Quando começou a guerra em território de Donetsk e Lugansk, eles se assustaram. Os Países Bálticos — Lituânia, Letônia e Estônia — se posicionaram de forma mais ativa. Soaram os alarmes. E eles são membros da União Europeia e da OTAN", disse a autoridade em uma entrevista para a emissora 112 Ukraina. 


Ensaio para a parada do dia da Marinha da Rússia em Baltiysk. A Frota do Báltico.
Frota do Báltico da Marinha da Rússia em desfilie militar © Sputnik/ Igor Zarembo

Zhebrivsky disse que os Países Bálticos entendem que, se a "Rússia decidir iniciar uma guerra híbrida, bastarão de três a seis horas para ocupar a Lituânuia e a Letônia".

"As forças da OTAN não vão conseguir ajudar a tempo. Por isso a Rússia vai dialogar com eles de uma posição de força", disse o chefe da administração.

Diversos políticos dos Países Bálticos alertam para "ameaça" russa. Kremlin, por outro lado, sempre reitera que os países da OTAN sabem que Moscou não tem planos de atacar e recorrem ao mito da ameaça russa para justificar a remessa de tropas para a fronteira com a Rússia.

Postar um comentário